Marcos Pontes é internado no Hospital das Forças Armadas, em Brasília

A informação foi repassada pelo secretário executivo do Ministério da Ciência e Tecnologia Julio Semeghini

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 12/09/2019 14:14

O ministro Marcos Pontes, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) foi internado no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, na noite dessa quarta-feira (11/09/2019). Até a manhã desta quinta-feira (12/09/2019) ele permanecia no local.

O astronauta era esperado na Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos Deputados, para uma audiência sobre a exoneração de Ricardo Galvão, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Contudo, devido à ausência, a audiência será remarcada.

A notícia da internação foi dada pelo deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP), que presidia a mesa. Ele foi informado do estado de saúde de Pontes pelo secretario executivo Julio Semeghini. “Nós estamos com um problema, o ministro Marcos Pontes foi internado no Hospital das Forças Armadas por um problema de saúde. Nós estamos aqui com a equipe técnica do ministério”, declarou o parlamentar.

No início da tarde desta quinta, a assessoria de comunicação do ministro informou que ele apresentava um quadro de tonturas, náuseas, vômitos, sudorese e dificuldade de andar há uma semana. O quadro teria se agravado na madrugada e ele deu entrada no hospital às 07h45 para um atendimento de urgência. Ele recebeu alta no início da tarde, “com recomendação de repouso absoluto pelo período mínimo de 48 horas”, registrou a nota.

“Bruxa está solta”
No fim do mês passado, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também foi internado no HFA. Ele chegou a ser levado à Unidade de Terapia Intensiva (UTI), pois reclamava de dores no peito e dormência.

No entanto, após exames cardiológicos e um período de observação, nada foi detectado. O ministro deu entrada no hospital em 27 de agosto, uma terça-feira, e recebeu alta no dia seguinte. Os exames feitos pelo ministro não tiveram alteração, mas os médicos recomendaram repouso por cinco dias.

Últimas notícias