Maia prevê que Previdência chegue ao Senado em 9 de agosto

Presidente da Câmara minimizou adiamento da análise em segundo turno da reforma para 6 de agosto, depois do recesso parlamentar

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 12/07/2019 22:15

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), minimizou o adiamento de votação do segundo turno da reforma da Previdência para 6 de agosto e ressaltou que quer encerrar o processo em até três dias. Ele encerrou a primeira fase de tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019 na noite desta sexta-feira (12/07/2019).

“Não é um atraso. O Senado só pode começar a trabalhar [com a matéria] no dia 9. Nós vamos entregar dia 9. Eu tô feliz com o resultado. Nunca imaginei, depois de tantos anos como deputado, que a gente pudesse ter uma votação de um tema desses com 74% [de aprovação] da Casa“, comemorou.

Maia comentou ainda o baixo quórum no fim da noite desta sexta e que seria “arriscado” dar andamento à segunda fase com o plenário vazio.

O presidente disse que não se sente “frustrado” por não ter conseguido aprovar o texto na Câmara até 18 de julho, data na qual começa o recesso legislativo. Maia explicou ainda que não se pode achar que se é “dono do Parlamento”, que “tem que ter todas as vitórias sozinho”.

“Aí nós deixamos de ser democratas e passamos a ser pessoas autoritárias e esse não é meu objetivo. Meu objetivo é coordenar os trabalhos da Casa”, pontuou.

Questionado se o fato de os parlamentares retornarem às bases no intervalo entre os dois turnos poderia fazê-los mudar de ideia, Maia disse: “Podem mudar de ideia a favor da reforma. Nenhuma reforma tem um resultado desses que não seja com o apoio da sociedade”.

Últimas notícias