*
 

O senador Magno Malta postou em seus perfis oficiais nas redes sociais, durante a madrugada deste domingo (9/9), foto que expõe corte cirúrgico realizado na região abdominal do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Segundo a assessoria de comunicação do parlamentar, a imagem não foi feita por ele. Malta considerou importante replicar o conteúdo para reforçar a gravidade do ataque sofrido pelo candidato ao Planalto.

“Tem quem ainda fala que o atentado na véspera da Independência do Brasil é fake News. Força Capitão!”, escreveu o político na descrição da foto. Bolsonaro foi esfaqueado durante ato de campanha eleitoral, na última quinta-feira (6), em Juiz de Fora (MG). O autor do crime, Adélio Bispo de Oliveira, foi contido e preso em flagrante.

Conforme informou a assessoria do senador ao Metrópoles, há pessoas que acreditam na possibilidade de o atentado ter sido parte de uma manipulação eleitoral ou tratar-se de fake news.

A imagem do postulante depois do procedimento cirúrgico também foi compartilhada no Twitter. Magno Malta, segundo sua assessoria, tem acompanhado a situação de saúde de Bolsonaro e apoiado a família do presidenciável.


Agenda de Bolsonaro
A assessoria de Malta disse ainda ao Metrópoles que o senador deve cumprir agenda eleitoral para Bolsonaro, na terça-feira (11), em Recife (PE). O pedido foi feito pelo próprio candidato à Presidência da República. Além do parlamentar, os filhos do postulante Flávio e Eduardo Bolsonaro também substituirão o pai em atos de campanha política pelo Brasil.

Estado de saúde
O Hospital Albert Einstein divulgou, por volta das 10h da manhã deste domingo (9/9), o último boletim médico do candidato do PSL. Segundo a unidade de saúde, Bolsonaro “encontra-se estável e apresenta nítida melhora clínica e laboratorial, sem nenhuma evidência de infecção”.

Ainda de acordo com a nota, “o quadro abdominal do paciente apresentou melhora nas últimas 24 horas”. Contudo, o postulante ainda precisa de cuidados intensivos. O presidenciável está internado há mais de 48 horas no local. Antes de ser transferido para lá,  passou por cirurgia de emergência na Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG), cidade onde sofreu atentado durante ato de campanha eleitoral, na última quinta-feira (6).

O acusado de esfaquear o militar reformado do Exército é o pedreiro Adélio Bispo de Oliveira. Ele deixou Juiz de Fora na manhã deste domingo (9), transferido para um presídio federal de Campo Grande (MS). O notebook e os celulares encontrados na pensão onde o suspeito estava hospedado foram levados para perícia. A Justiça autorizou a quebra de sigilo dos aparelhos. A investigação do atentado ficará a cargo da Polícia Federal de Brasília.