Empoderada no governo, irmã de Guedes tem livre acesso ao 1º escalão

Sete meses após o irmão tornar-se titular da Economia, Elizabeth já teve 35 agendas com o Executivo – uma delas com o presidente Bolsonaro

André Corrêa/Agência SenadoAndré Corrêa/Agência Senado

atualizado 12/08/2019 12:40

Batizado de “Posto Ipiranga” pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) ainda nas eleições, o ministro da Economia, Paulo Guedes, goza de muita influência no governo. Sua pasta congrega o que, no passado, foram três ministérios: Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio. Elizabeth Guedes, irmã do ministro, também viu o seu prestígio aumentar junto ao poder público com a chegada do presidente e do irmão ao poder.

Representante de mais de 200 faculdades particulares, Elizabeth é vice-presidente e proprietária da Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup), criada há três décadas para atuar pelos interesses do setor. Com o irmão no poder, a sua agenda de encontros junto a autoridades teve um salto quando comparado aos anos anteriores. Ela tornou-se uma espécie de relações-públicas de luxo das empresas da área. Em 2018, Elizabeth teve apenas 17 reuniões com membros do governo registradas no ano. Até julho de 2019, porém, ela já encontrou-se com autoridades do primeiro ou do segundo escalão do governo em ao menos 35 eventos formais – um deles com o presidente Jair Bolsonaro.

Guedes, por sua vez, tenta distanciar-se da atividade da irmã, que opera na mesma área que ele atuava antes de chegar ao cargo atual: educação superior privada. Em audiência na Câmara dos Deputados no dia 5 de junho, inclusive, ele rechaçou qualquer proximidade com ela. “Minha irmã está há 20 ou 30 anos no meio. Eu quero que alguém me mostre alguma reunião que fiz no Ministério da Educação ou qualquer reunião que fiz com qualquer pessoa do Ministério da Educação desde que cheguei [ao governo] ou com ela para conversar sobre coisas de educação”, disse.

De fato, não há registros desses encontros do ministro, ao menos oficialmente. Elizabeth, no entanto, conseguiu livre acesso aos ministérios, sobretudo o da Educação. E até mesmo ao da Economia, chefiada pelo irmão. Um levantamento do Metrópoles revela que ela, neste ano, não apenas encontrou-se duas vezes com técnicos subordinados a Guedes mas também carrega um arsenal de visitas ao primeiro e ao segundo escalão do governo comparável ao de poucas figuras da Esplanada.

A reportagem contabilizou, por meio da apuração de todas agendas dos 22 ministérios, ao menos 35 encontros até julho. Ou seja, com sete meses de governo, ela cumpriu em média 1,25 compromisso por semana com algum integrante do Executivo. Ao longo do ano passado, por sua vez, foram registrados apenas 17 compromissos com membros do governo de Michel Temer (MDB). O número, contudo, pode não ser exato, uma vez que Bolsonaro integrou algumas pastas da antiga gestão e, com isso, alguns dados podem ter se perdido na migração aos portais atuais.

Mesmo depois da posse do irmão, ainda é Elizabeth a responsável pelo diálogo da Anup com o governo. Do total de encontros, a maioria deles foi na pasta da Educação, onde Guedes rechaçou ter influência – 17 até julho. Na sequência, aparecem Cidadania, com 7, Direitos Humanos (5), Casa Civil (3), Economia (2) e o Palácio do Planalto (1). Na Casa Civil, todas as reuniões ocorreram com o próprio ministro da pasta, Onyx Lorenzoni (DEM). Em um encontro específico, de 14 de março, Elizabeth reuniu-se com Lorenzoni às 10h, enquanto Guedes esteve com o titular da Casa Civil uma hora antes, às 9h.

Entre os assuntos das reuniões, estavam diretrizes para a educação a distância, o papel das universidades com a responsabilidade social e o tratamento das instituições em relação ao bullying. Outro tema abordado nos encontros da Educação e da Economia foi a principal pauta do grupo: o Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior (Fies). As instituições de ensino superior privadas que Elizabeth representa pleiteiam a manutenção do volume de crédito estudantil garantido pelo programa – criado durante os governos petistas.

Ao longo de dois meses, o Metrópoles fez contato com todas as pastas que receberam Elizabeth para audiências e pediu as atas das reuniões, mas apenas o Ministério da Economia – chefiado pelo irmão – cedeu os detalhes sobre as visitas da representante das universidades privadas. O Palácio do Planalto respondeu à demanda, mas disse que a audiência com Bolsonaro e Elizabeth foi fechada. “Assim sendo, não foi possível acessar as informações sobre o que foi tratado no encontro”, escreveu, em nota, a assessoria do Palácio do Planalto.

Em 2018, os encontros ocorreram nas pastas da Cidadania (8), da Educação (7) e Casa Civil (2). À época, ela não teve acesso direto ao mandatário do país.

Encontros na Economia
Em uma de suas reuniões no ministério chefiado por Paulo Guedes, Elizabeth encontrou-se com o subsecretário de Planejamento Estratégico da Política Fiscal, Pedro Jucá Maciel, no dia 4 de abril. Na pauta, estava o “comitê de participação do Fies”, grupo para o qual foi nomeada ainda na gestão do ex-presidente Michel Temer. Segundo o ministério, o encontro foi convocado a pedido de Elizabeth e contou com representantes do Tesouro e da Caixa.

“Foi uma reunião fora do âmbito das reuniões ordinárias do Conselho, por isso não foi produzida ata. O objetivo foi tratar de questões financeiras e técnicas atinentes ao Fies, tais como o resultado de 2018, a disponibilização de informações, o acesso ao extrato do sistema disponibilizado pela Caixa, inadimplência da coparticipação, formas de cálculo e alíquotas de contribuição, entre outras”, escreveu a pasta. As instituições de ensino privado exigem maior participação do governo na cobrança de inadimplentes.

Sobre a segunda audiência, ocorrida em 26 de junho, o Ministério da Economia enviou a ata da reunião, que novamente tratava do mesmo tema: Fies. No encontro, a vice-presidente da Anup cobrou a Caixa Econômica Federal, em nome das universidades que ela representa junto ao governo, para evitar “graves problemas” envolvendo o financiamento estudantil. Isso porque, segundo Elizabeth, “as instituições de ensino não estavam recebendo informações sobre o nível de inadimplência de seus alunos, assim como extratos detalhados com informações como nome do estudante e número do contrato”. Sem esses dados, não era possível cobrar os eventuais atrasos.

Elizabeth explicou aos técnicos que uma série de dificuldades operacionais é causada às instituições de ensino pela ausência de informações. “Além disso, a sra. Elizabeth considera baixa a prioridade dada pelos dirigentes da Caixa ao Fies, em que pese o comprometimento do corpo funcional da Caixa responsável por acompanhar o programa”, dizia a ata. No mês seguinte, o governo prorrogou o prazo para que inadimplentes renegociassem as suas dívidas com o Fies.

Parceria com Michelle Bolsonaro 
No início de julho, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, anunciou que iria presidir o Programa Nacional de Incentivo ao Voluntariado. O grupo é composto de 12 ministros e 10 representantes da sociedade civil.

Com força no governo, Elizabeth Guedes está entre os representantes civis. Além dela, foram escolhidos Elba Ramalho (cantora), Fabio Silva (Plataforma Transforma Brasil), Israel Aron (Cyrella), James José Martins de Souza (Instituto Legado), Maria Elena Johannpeter (Parceiros Voluntários), Miguel Tortelli (Amor Exigente), Raul Cutait (Fiesp), Ricardo Paes de Barros (Instituto Ayrton Senna) e Rosângela Moro, esposa de Sergio Moro.

Segundo o ministério da Cidadania, que coordena o programa e no qual Elizabeth teve sete reuniões formais neste ano, o objetivo do programa é “incentivar a participação dos cidadãos na promoção de práticas sustentáveis, culturais e educacionais voltadas à população brasileira mais vulnerável”.

Anup 
A Anup é uma entidade representativa que tem, ao todo, 204 faculdades privadas associadas, segundo eles mesmos informam em seu site. Entre os grupos que têm em Elizabeth Guedes a sua representação junto ao governo, estão os gigantes Anhanguera, Anhembi Morumbi, Estácio, Pitágoras, entre outros.

O Metrópoles tentou contato com Elizabeth e com a Anup, para que eles dessem mais detalhes do trabalho da irmã de Paulo Guedes junto ao governo. Ao longo de quase um mês, a reportagem telefonou, enviou e-mails e mensagens para a entidade, mas não obteve reposta.

Fundos de investimento
Paulo Guedes, antes de assumir o cargo no atual governo, dirigia uma série de grupos de investimento focados justamente na educação superior privada. Nos últimos anos, ele esteve à frente da Bozano Investimentos, gestora de recursos que aplica em empresas de educação. Boa parte dessas instituições têm no Fies a sua principal fonte de renda. E várias das empresas que receberam recursos da Bozano são associadas à Anup.

Nos dados da Receita Federal, Guedes aparece também como sócio da BR Educacional, alvo da Operação Greenfield, que investiga fraudes em fundos de pensão. A empresa investiu, basicamente, em quatro companhias: a HSM do Brasil S.A., Affero-Lab, Abril Educação e Ânima Educação.

Desde que assumiu o ministério, Guedes em momento algum incluiu os valores do Fies como parte do ajuste fiscal que conduz à frente da pasta. Em 2017, o programa gerou custos de R$ 30 bilhões ao governo.

Últimas notícias