Bolsonaro tem “retorno lento da atividade intestinal”, diz médico

Presidente se recupera da quarta cirurgia. Médicos estão animados com melhora e estudam alterar a dieta

Reprodução/Redes sociaisReprodução/Redes sociais

atualizado 14/09/2019 14:52

Neste sábado (14/09/2019), a equipe médica do presidente Jair Bolsonaro (PSL) atualizou o estado de saúde do chefe do Palácio do Planalto. Seis dias após a cirurgia, ele está com “certa dificuldade” no retorno do funcionamento natural do intestino. As informações são do médico Antonio Luiz Macedo, que o acompanha no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo.

Apesar da lentidão, o boletim garante que o presidente está se recuperando bem. “Existe uma certa dificuldade no retorno da atividade intestinal. Mas ele não tem dor, o quadro de hemograma é perfeito e não tem febre”, destacou Antonio Luiz Macedo.

A alimentação do presidente continua sendo em forma líquida e parenteral (na veia). Contudo, a equipe médica avalia uma mudança. “Isso é o feeling clínico diário. Com ruídos e eliminações presentes, hoje no final do dia ou amanhã pela manhã, mudados. Estamos pensando em uma dieta mais consistente”, adiantou o médico.

Atualmente, Bolsonaro ingere 50ml de alimentação líquida e ainda passa por fisioterapia respiratória. As visitas estão restritas. Neste sábado, ele está acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Apesar da melhora progressiva, o médico disse que é preciso cautela. “Em todas as cirurgias que fizemos, houve um retardo do retorno das funções intestinais. É sempre um processo lento, mas quando volta é rápido. Houve uma melhora significativa dos movimentos (intestinais), que estão aumentado. Não tem qualquer problema crônico que prejudique a recuperação”, analisou.

O médico completou: “Não vamos lentificar o intestino se for para optar por uma dieta mais consistente”, finalizou, ao explicar o receio de atrasar ainda mais a volta dos funcionamento normal do intestino e prejudicar a cicatrização da remoção das aderências abdominais.

Alta
O porta-voz da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros, manteve a expectativa de alta do presidente para a próxima semana. Essa é a quarta cirurgia que ele é submetido desde a facada durante a campanha eleitoral em 2018. “Mantemos expectativas positivas em relação à alta. Temos sempre que considerar a avaliação final do corpo médico, que dependerá da melhora progressiva e definitiva do presidente”, destacou.

O porta-voz deu detalhes do humor do presidente. “O doutor Antonio Luiz Macedo teve que dar um puxão de orelha nele. Ele queria ir ao jogo do Palmeiras. O presidente está muito disposto”, comemorou.

Últimas notícias