Bolsonaro sobre barragem na Bahia: “Não temos como conter a onda, né?”

O presidente afirmou que acionou órgãos de defesa civil para auxiliar os moradores do povoado atingido pelo rompimento da estrutura

Foto: Andre Borges/Esp. MetrópolesFoto: Andre Borges/Esp. Metrópoles

atualizado 11/07/2019 20:47

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), comentou a tragédia que atingiu um povoado da cidade Pedro Alexandre, localizada a 435 km de Salvador, capital da Bahia. Após o rompimento da barragem, nesta quinta-feira (11/07/2019), o chefe do Executivo afirmou que os órgãos de defesa civil foram acionados e soltou: “Não temos como conter a onda, né?”.

“Nossos órgãos de defesa civil estão informados, estão tomando providência”, disse o presidente. Bolsonaro declarou ainda que “o governo está à disposição dos prefeitos locais para qualquer providência que porventura julguem necessária”.

Entenda
Devido às fortes chuvas na região de Pedro Alexandre, uma barragem rompeu, deixando uma camada de lama pelo local. Por causa da inundação, as estradas estão bloqueadas, o que dificulta o atendimento pelos órgãos de saúde à população. Ainda não há informações sobre feridos.

A Defesa Civil local informou que acionou o Corpo de Bombeiros de Pedro Alexandre para ajudar nos atendimentos. Os órgãos alertaram para necessidade dos moradores de Coronel João Sá, cidade vizinha ao povoado, deixarem as casas.

Veja imagens:

 

Cidade vizinha
Devido ao rompimento da barragem, Carlinhos Sobral, prefeito de Coronel João Sá, publicou um vídeo nas redes sociais alertando sobre o risco de as pessoas continuarem nas casas.

“Pessoal, a barragem do Quati estourou. É uma situação atípica. Nunca aconteceu isso com essa barragem. Nós não sabemos as consequências. Eu peço encarecidamente a todas as pessoas que moram em área de risco que saiam das suas casas, que peguem seus documentos pessoais, peguem seus objetos de valor, o que puderem levar”, orientou o prefeito.

“A gente não sabe as consequências, nunca passamos por elas. É melhor prevenir. Estou monitorando. Todas as escolas já estão disponíveis para receber as pessoas”, afirmou Sobral.

Últimas notícias