A queda de braço entre o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Alex Carreiro, ganhou novos contornos nesta quinta-feira (10/1).

Depois de desmentir o anúncio de Araújo, de que teria pedido demissão da agência, Carreiro encontrou-se com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) no fim da manhã, quando apresentou os prints das conversas que teve com o ministro e provou que não houve pedido de desligamento. Pelo contrário. Mostrou ao mandatário do país que, no diálogo com Araújo, pelo WhatsApp, deixou clara a intenção de continuar no cargo.

Fontes ligadas à Apex ouvidas pelo Metrópoles contam que a reunião entre Bolsonaro e Carreiro ocorreu perto das 11h, logo após a visita do governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Na conversa, o dirigente da agência teria mostrado o andamento da conversa com Araújo e destacado que não pretende sair do cargo. A expectativa é de que o chefe do Executivo nacional se reúna com o ministro para colocar fim à confusão.

Na sequência, Carreiro retornou ao seu gabinete na Apex e deu continuidade ao expediente normalmente, segundo informou a assessoria de imprensa da agência.

Segundo funcionários da Apex, Carreiro bateu de frente com Letícia Catellani, que assumiu a Diretoria de Negócios da agência. Ela foi indicada pelo ministro Araújo. O pivô da confusão foi o fato de Carreiro demitir várias pessoas sem consultar Letícia. Tal prerrogativa, no entanto, sempre foi do próprio comandante da Apex.

A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto foi procurada para dar um posicionamento a respeito da reunião entre Bolsonaro e Carreiro, mas não havia se manifestado até a última edição desta reportagem.