Agressor de Bolsonaro é transferido para prisão em Campo Grande

Transferência foi determinada nessa sexta-feira (7/9) pela juíza Patricia Alencar, da 2ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora

ReproduçãoReprodução

atualizado 08/09/2018 12:29

Adélio Bispo de Oliveira, detido por esfaquear o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, foi transferido na manhã deste sábado (8/9) para o presídio federal de segurança máxima em Campo Grande (MS).

A transferência foi determinada nessa sexta-feira (7) pela juíza de plantão Patricia Alencar, da 2ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora, que também manteve a prisão preventiva do agressor. O avião da Polícia Federal decolou do aeroporto da cidade mineira às 7h52min. Adélio apareceu antes do embarque com a cabeça raspada.

Os advogados de defesa do acusado descartaram ou envolvimento de mais pessoas no ataque ao presidenciável do PSL. Zanone Júnior, Fernando Magalhães, Pedro Possa e Marcelo Costa, que representaram o agressor na audiência, reiteraram à imprensa que Adélio foi categórico ao afirmar ter agido sozinho, de forma individual, movido pelas divergências de opiniões com o candidato, especialmente em relação a afirmações tidas como preconceituosas.

O acusado afirmou, em depoimento à Polícia Federal na quinta (6), ter seguido ordens de Deus para cometer o ataque. Ao ser questionado sobre uma possível motivação política para cometer o crime, ele se classificou como uma pessoa “de esquerda moderada” e disse que o candidato defende ideias de extrema direita. O acusado afirmou ainda que Bolsonaro defende o extermínio de homossexuais, negros, pobres e índios, posição da qual discorda radicalmente.

Últimas notícias