500 mil são esperados em posse de Bolsonaro. Carrinho de bebê é vetado

Segundo ministro do GSI, ainda não há uma definição sobre desfile do presidente eleito em carro aberto por questões de segurança

Daniel Ferreira/MetrópolesDaniel Ferreira/Metrópoles

atualizado 18/12/2018 13:45

A Presidência da República estima a presença de até 500 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios durante a cerimônia de posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), em 1º de janeiro do ano que vem. Apesar da montagem de um forte esquema de segurança, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, afirma que, por conta de ameaças ao capitão da reserva do Exército, ainda não há uma definição sobre o desfile em carro aberto.

“A decisão sobre desfile em carro aberto será tomada em função das circunstâncias que evoluirão até a tarde do dia da posse”, disse o ministro. Porém, já se sabe que diversos itens serão proibidos para quem quiser ver a cerimônia de perto, entre eles carrinhos de bebê e guarda-chuva (veja relação abaixo).

O desfile em carro aberto é uma tradição das posses presidenciais. Entre a Catedral Metropolitana e o Congresso Nacional, um percurso de cerca de 1,5km, o presidente eleito acena para populares que acompanham a cerimônia no gramado. A indefinição ocorre também por conta do ataque sofrido por Bolsonaro durante a campanha eleitoral, em 6 de setembro.

A Esplanada será isolada para veículos. Quem tiver o interesse de acompanhar de perto a posse deverá passar por barreiras de revista policial. De acordo com Etchegoyen, serão quatro pontos distribuídos ao longo do gramado da área central de Brasília. Será apenas um ponto de entrada de pedestres: a Rodoviária do Plano Piloto.

O comércio ambulante estará proibido na Esplanada, local que será bloqueado a partir da meia-noite do dia 30 de dezembro. Aos pedestres que acompanharão a posse, serão instalados postos médicos, pontos de água, banheiros químicos e telões para as transmissões.

Neste ano, agências de viagem chegaram a programar pacotes para os que querem acompanhar a posse do presidente eleito de perto. Estabelecida em Campinas (SP), a agência de viagens A Via enxergou no evento de 1º de janeiro uma possibilidade de lucrar. A empresa lançou 14 pacotes – todos chamados “Patriotas” – com opções para o apoiador do pesselista testemunhar a transmissão da faixa presidencial ao capitão reformado do Exército e, de quebra, passar a virada na capital federal.

O turista pode escolher entre planos que variam de R$ 350 a R$ 825. O mais simples, por exemplo, garante a viagem de ônibus de Campinas a Brasília, saindo em 31 de dezembro e retornando em 1º de janeiro, logo após a cerimônia presidencial. O bate e volta inclui ônibus classe turismo e exclui a necessidade de hospedagem.

O mais caro, por outro lado, inclui passagem aérea de Campinas para Brasília, duas diárias em hotel classe turismo com café da manhã, seguro viagem e, ainda, o ingresso para a “Confraternização Patriota” de final de ano. O pagamento pode ser parcelado em até seis vezes no cartão de crédito.

Objetos proibidos
De acordo com Etchegoyen, curiosos e simpatizantes de Bolsonaro não poderão levar para a Esplanada dos Ministérios:

  • armas de fogo;
    objetos cortantes;
    fogos de artifício;
    lasers;
    drones;
    produtos inflamáveis;
    garrafas de vidro;
    sprays;
    bebidas alcoólicas;
    guarda-chuva;
    bolsas e mochilas;
    máscaras;
    animais;
    carrinhos de bebê.

Últimas notícias