Polícia intima professora por “esquerdismo” e “doutrinação feminista”

O Colégio Estadual Thales de Azevedo, na Bahia, publicou nota de repúdio à intimação da docente para prestar depoimento à polícia

atualizado 18/11/2021 22:49

Reprodução

Uma professora do Colégio Estadual Thales de Azevedo, localizado no bairro do Costa Azul, em Salvador, foi intimada a depor na Delegacia de Proteção da Criança e do Adolescente após denúncias de que os conteúdos de suas aulas de ciências humanas estariam “enviesados”. A docente foi acusada de ensinar pautas de cunho “esquerdista” e com linguagens de “doutrinação feminista”.

A intimação revoltou a instituição de ensino, que publicou nota de repúdio sobre o caso. No documento, recebido em sala de aula na terça-feira (16/11), a professora foi acusada de “ferir a liberdade de cátedra e a autonomia pedagógica, princípios constitucionais fundamentais”.

Revoltado, o colégio afirmou em nota que “a intimação policial direcionada à professora censura seu exercício laboral e afronta todo o corpo docente”.

A instituição ainda pediu apoio das entidades que militam em defesa da educação para atravessar o momento.

Veja nota: 

Nota de repúdio Colégio Estadual Thales de Azevedo

Mais lidas
Últimas notícias