metropoles.com

PF prende organização que promovia imigração ilegal para os EUA

Grupo criminoso providenciava solicitações de refúgio ou fornecia documentos falsos a migrantes oriundos de países da Ásia

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Polícia Federal
1 de 1 Polícia Federal - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (31/10/2019) uma operação contra o contrabando de migrantes e lavagem de dinheiro, que ocorreu simultaneamente em 20 países da América do Sul e Central. Por meio de cooperação com a agência norte-americana de imigração (Immigration and Customs Enforcement – ICE) foram descobertos estrangeiros moradores de São Paulo que lideravam uma organização criminosa para promover a ida ilegal de pessoas para os Estados Unidos.

Os agentes cumpriram oito mandados de prisão temporária e 18 de busca e apreensão em São Paulo, Embú das Artes, Taboão da Serra, em São Paulo, e Garibaldi, no Rio Grande do Sul. Também houve o bloqueio judicial de 42 contas bancárias que seriam usadas na prática dos crimes. As medidas foram expedidas pela 10ª Vara Federal Criminal Especializada em Lavagem de Dinheiro de São Paulo e pela Justiça Federal do Acre.

As investigações começaram em 2018. “Por meio de cooperação policial e jurídica internacional, ação controlada, interceptação telefônica e de e-mails, quebras dos sigilos bancário e fiscal, apurou-se que o grupo criminoso providenciava solicitações de refúgio ou o fornecimento de documentos de viagem falsos a migrantes ilegais oriundos de países do Sul da Ásia“, segundo a polícia.

Os principais alvos da organização eram cidadãos do Afeganistão, Bangladesh, Índia, Nepal e Paquistão. “Com esses documentos [falsos], os migrantes ilegais partiam de seus países por via aérea com destino ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, por onde ingressavam no continente americano”, informou a PF.

Os migrantes seguiam para Rio Branco, no Acre, e de lá atravessavam a fronteira com o Peru e passavam por outros países da América do Sul e Central até chegar ao México.

A PF identificou, no entanto, que enquanto estavam em São Paulo, os migrantes sofriam maus-tratos, como cárcere privado e agressões físicas e psicológicas.

Ao menos US$ 10 milhões foram movimentados indevidamente entre 2014 e 2019.

Os investigados responderão pelos crimes de contrabando de migrantes — qualificado pela submissão a condições desumanas e degradantes —, lavagem de dinheiro e organização criminosa, com penas de 3 a 10 anos de prisão.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações