Lava Jato faz operação contra desvios na Saúde e prende secretário de Doria

O cumprimento das ordens judiciais ocorre em Petrópolis, São Paulo, São José do Rio Preto, Goiânia e Brasília

atualizado 06/08/2020 10:52

FACEBOOK/REPRODUÇÃO

A Polícia Federal (PF) realiza na manhã desta quinta-feira (6/8), em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF), a Operação Dardanários, um desdobramento da Lava Jato, para desarticular organização de empresários e agentes públicos que tinham por finalidade contratações dirigidas, especialmente na área da saúde.

O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, expediu seis mandados de prisão e 11 de busca e apreensão. O cumprimento das ordens judiciais ocorre em Petrópolis (RJ), São Paulo, São José do Rio Preto (SP), Goiânia (GO) e Brasília.

Até o momento, três pessoas foram presas, entre elas Alexandre Baldy, secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo.

De acordo com as investigações, ele é suspeito de ter cometido crimes antes de assumir a pasta no governo de João Doria. Baldy, do Partido Progessista, foi ministro das Cidades no governo de Michel Temer.

Na residência de Baldy, em Brasília, os agentes da PF apreenderam R$ 90 mil que estavam guardados em cofres.

Além de Baldy, o pesquisador da Fiocruz Guiherme Franco Netto foi preso em Petrópolis, na região serrando do Rio de Janeiro.

0

Uma outra pessoa ligada ao secretário, que não teve a identidade revelada , também é procurado pela polícia.

A operação é um desdobramento das investigações realizadas no âmbito das operações Fatura Exposta, Calicute e SOS, deflagradas pela Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros.

Os alvos presos na operação devem responder pelos crimes de corrupção, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Após as notícias sobre a operação, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou, em nota, que “os fatos que levaram as acusações contra Alexandre Baldy não têm relação com a atual gestão no Governo de São Paulo”.

“Portanto, não há nenhuma implicação na sua atuação na Secretaria de Transportes Metropolitanos. Na condição de Governador de São Paulo, tenho convicção de que Baldy saberá esclarecer os acontecimentos e colaborar com a Justiça”, prosseguiu.

Últimas notícias