Dois jogadores da seleção brasileira de vôlei, o oposto Wallace e o central Maurício, causaram polêmica nas redes sociais, após a vitória sobre a França, pelo Mundial de Vôlei, disputado em….

Tudo porque ambos comemoraram a segunda vitória do Brasil na competição – a primeira havia sido no dia anterior contra a seleção do Egito – fazendo alusão ao número 17, o mesmo do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro. Wallace fez o número 7 utilizando as duas mãos e Maurício mostrou o número 1 com a mão direita.

A polêmica foi ainda maior porque eles apareceram, com essas poses, em fotos oficiais da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Na internet, a foto logo virou polêmica e causou grande repercussão. A imagem acabou sendo deletada do Instagram da CBV.

Confira alguns posts no Twitter:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Chega! Nós do Angels sempre citamos que dentro do vôlei masculino existe preconceito! Vivenciamos isso na pele durante a base em clubes! Dentro da Seleção Masculina com o reinado dos “coronéis” a homossexualidade é tida com deboche! Ser gay no vôlei masculino é ser menos! Ser gay no vôlei masculino é aceitar piadinha! Ser gay no vôlei masculino é aceitar ser ridicularizado! Quer se manter no sistema? Aceita as regras do jogo! Chega! Chega de escrotidão! Chega de apologia a Homofobia! Wallace (jogador afrodescendente que já sofreu racismo dentro de quadra) e Mauricio Souza (famoso por ser claramente contra a homossexualidade) chegaram ao ápice do absurdo fazendo apologia política com a camiseta da Seleção! Eles claramente estão fazendo com as mãos o número 17, em referência ao candidato que diz abertamente ser homofóbico! Pode fazer propaganda política com a camiseta da seleção? Pode fazer apologia ao crime (porque homofobia é crime) com a camiseta da seleção? A CBV está de acordo com isso? Todos os jogadores do time estão de acordo com isso? A comissão técnica está de acordo com isso? Todos os torcedores do vôlei estão de acordo com isso? Eu penso que um atleta quando veste o manto sagrado do seu país, ele representa toda uma pátria! Então os dois estão se achando no “direito” de “pressupor” que “supostamente” a população inteira do Brasil aprova esse ato? Vão vir desculpa esfarrapada que eles estavam se referindo a outra coisa obviamente, porque a hipocrisia reina no mundo do vôlei masculino! Mas saibam que temos uma sequência de prints que provam o contrário! Queremos posicionamento! Somos seres humanos! Não apoiamos esse ato de jogadores representando o Brasil num Campeonato Mundial! Chega de Abuso! Chega de nos calarmos! Chega de medo! Isso não pode ocorrer dentro do país recordista mundial em morte de LGBTQI+! Queremos e devemos viver! #angelsvolleybrazil #angelsvolley #superligadadiversidade #copaangels #copaangelsvolley #superliga #superligafeminina #superligamasculina #volei #voleibol #volley #volleyball #gayvolleyball #volleyballgays #globo #sbt #record #band #redetv #tvgazeta #tvcultura #sporttv #espnbrasil #foxsportsbrasil #esporteespetacular #cbv

Uma publicação compartilhada por Angels Volley Brazil (@angelsvolley) em

Após a polêmica, a seleção brasileira, que era favorita para a partida contra a Holanda, acabou sendo derrotada de virada por 3 sets a 1, com parciais de 21/25, 25/20, 25/20 e 25/21. Com o resultado, o Brasil caiu para a quarta colocação do Grupo B, atrás de Canadá, França e Holanda.

Essa foi a primeira vitória da Holanda sobre a seleção brasileira em partidas de Mundial em 52 anos. A seleção ainda enfrenta o Canadá na segunda-feira (17), e a China, na terça (18).