Patroa é condenada por manter doméstica em trabalho análogo à escravidão

Empregadora fez a funcionária trabalhar sem remuneração por 35 anos. Caso chegou à Justiça por denúncias anônimas

atualizado 11/06/2020 12:01

Uma mulher em Santo Antônio de Jesus, o Recôncavo (Bahia), foi condenada por acusação de trabalho escravo doméstico. Segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT), Arlinda Pinheiro de Souza Santos manteve a empregada trabalhando sem remuneração por mais de 35 anos.

Por conta disso, a juíza substituta da Vara do Trabalho Paula Leal Lordelo determinou à patroa o pagamento de uma indenização de R$ 170 mil. O valor se refere a danos morais, verbas rescisórias, além do reconhecimento do vínculo e recolhimento de INSS e FGTS pelo período de trabalho.

Leia a matéria completa no site Bahia Notícias, parceiro do Metrópoles.

Últimas notícias