Pai é condenado a 33 anos de prisão após estuprar e engravidar a filha

Homem estuprava a filha, de 11 anos, desde 2017. Ele engravidou a menina e causou o aborto do feto, que foi jogado em um rio

atualizado 18/06/2021 14:05

Cleiton da Paixão GuimarãesPolícia Militar de Mato Grosso/Divulgação

Um homem de 40 anos foi condenado a 33 anos, 11 meses e 10 dias de prisão pelos crimes de estupro de vulnerável, aborto e ocultação/destruição de cadáver, em Cuiabá (MT). Ele é acusado de estuprar a filha, de 11 anos.

O homem foi a júri nessa quinta-feira (17/6). De acordo com o portal G1, a sessão de julgamento durou 15 horas. O réu, que foi condenado ainda ao pagamento das custas e demais despesas processuais, pode recorrer da decisão.

Segundo o Ministério Público Estadual (MPE), consta nos autos que a criança sofria os abusos desde 2017. Já o crime de aborto ocorreu na madrugada de 17 de abril de 2019, na casa da família.

O caso veio à tona após a mãe da criança perceber mudanças no corpo da filha. Ela notou que a barriga da menina estava crescendo.

Cleiton foi preso em flagrante e afirmou que, após cometer o estupro, realizou testes de gravidez e comprou remédio para que ela tomasse, com a intenção de abortar. Segundo apurado pela polícia, após passar um dia inteiro com muitas dores, a vítima expeliu o feto com a ajuda do pai que, na sequência, colocou-o em uma sacola e fugiu do local.

Posteriormente, ele foi até a residência e encontrou com a Polícia Militar. Neste momento, ele confessou os crimes e revelou que jogou o feto no rio Coxipó.

Últimas notícias