Ômicron: vacinação em massa ajuda Botucatu a não elevar internações

Cidade no interior de São Paulo já tem mais de 90% da população imunizada com duas doses da AstraZeneca. Casos subiram 604% em 30 dias

atualizado 13/01/2022 14:38

Pessoa de máscara dentro do carro e mão aplicando vacina no braçoRafaela Felicciano/Metrópoles

São Paulo – Na onda da disseminação da variante Ômicron, a cidade de Botucatu, no interior de São Paulo, também assistiu a uma alta repentina nos casos confirmados de coronavírus desde dezembro.

Só que a disparada de 604% no número de casos não veio acompanhada do crescimento de hospitalizações, de acordo com dados divulgados pela prefeitura. Para a Secretaria municipal de Saúde de Botucatu, não houve aumento significativo de hospitalizações, à reboque da variante.

As hospitalizações não subiram porque a cidade passou por uma campanha de vacinação em massa, com a vacina da AstraZeneca, e já possui 90% da população imunizada com as duas doses da vacina (66% com a dose de reforço).

Entre 10 de dezembro e 10 de janeiro, a cidade teve confirmados 514 casos de coronavírus, na esteira da disseminação da ômicron pelo mundo. Nos 30 dias anteriores a esse período, entre 10 de outubro e 10 de novembro, houve só 73 casos de coronavírus.

Última morte em novembro

Ao contrário de ondas anteriores de elevada disseminação do vírus, desta vez a elevação dos casos não se refletiu em internações e mortes, de acordo com os dados da Secretaria Municipal de Saúde.

Só havia duas pessoas na enfermaria na última terça-feira (10). Entre 19 de novembro e 3 de janeiro, a cidade ficou sem nenhuma internação na rede municipal de saúde. A última morte em Botucatu foi registrada em 19 de novembro.

Botucatu é uma das cidades que foram beneficiadas com vacinação vacina da população. Em Serrana, no interior de São Paulo, para realização de um estudo da Coronavac, feito pelo Instituto Butantan, houve vacinação da população. Em Botucatu também houve um período acelerado de imunização, para realização de um estudo da Universidade de Oxford com a Fiocruz.

Mais lidas
Últimas notícias