Na volta do Boletim Focus, mercado eleva inflação para 7,65%

Esta é a primeira publicação do relatório em quatro semanas. Divulgação foi suspensa devido à greve dos funcionários do Banco Central

atualizado 26/04/2022 9:33

O crescimento da economia foi negativo nos últimos dois trimestres Michael Melo/Metrópoles

O mercado financeiro elevou, mais uma vez, a projeção de 2022 sobre o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial da inflação. O número subiu de 7,46%, na última semana, para 7,65%.

Os dados foram divulgados no Boletim Focus, publicado semanalmente pelo Banco Central (BC) após consultas a economistas para os principais indicadores econômicos do país.

Esta é a primeira publicação do relatório em quatro semanas. A divulgação foi suspensa devido à greve dos funcionários do Banco Central. Na última publicação antes da paralisação, a previsão do IPCA para 2022 era de 6,86%.

A meta de inflação perseguida pelo Banco Central este ano é de 3,5%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, podendo variar entre 5% e 2%. A nova estimativa dos agentes financeiros leva a inflação a se distanciar ainda mais da meta.

Caso se confirme a estimativa do mercado, a inflação deve ficar fora do intervalo pelo segundo ano seguido. Para 2023, a expectativa de inflação passou de 3,91%, na última semana, para 4%, de acordo com os números divulgados no boletim. Antes da suspensão, a expectativa para 2023 era de 3,8%.

Os dados também apontam crescimento na projeção da taxa básica de juros, a Selic, para 2022: de 13,05%, índice publicado na semana passada, para 13,25%. Para 2023, a expectativa é de 9%, a mesma da última semana.

O boletim também mostra os índices de projeção do Produto Interno Bruto (PIB). Houve aumento desde a última edição do relatório: de 0,56% para 0,65%. Para 2023, a expectativa é de redução de 1,12% para 1%.

No relatório desta semana, a expectativa do câmbio do dólar para 2022 passou de R$ 5,10 para R$ 5. Para o ano que vem, a projeção foi de R$ 5,15 para R$ 5.

Mais lidas
Últimas notícias