MP busca indenização administrativa para vítimas de Brumadinho

A ideia é que os atingidos pelo desastre e os familiares recebam a reparação sem a necessidade de esperar o fim do processo judicial

FáBIO BARROS/AGÊNCIA F8/ESTADÃO CONTEÚDOFáBIO BARROS/AGÊNCIA F8/ESTADÃO CONTEÚDO

atualizado 26/01/2019 13:29

O Ministério Público de Minas Gerais vai buscar uma indenização administrativa para as vítimas do acidente com o rompimento da barragem Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). O procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Antônio Sérgio Tonet, disse que, com as provas, os responsáveis poderão fazer a reparação “sem as amarras de um processo longo e desgastante na justiça”.

Para ele, é importante cobrar a responsabilização em juízo, mas também administrativamente para que “a empresa não se esconda atrás de um processo judicial que pode durar anos”.

Tonet, no entanto, não descartou a responsabilização integral pela tragédia em Brumadinho, ocorrida três anos após o desastre em Mariana. “O MP tem a missão simultânea de recolher provas, investigar as causas e os efeitos e definir responsabilidade administrativa, cível e criminal”, afirmou.

O procurador-geral de MG apontou que uma investigação do MP sobre a barragem Córrego do Feijão estava em andamento para verificar a situação na região. “Em novembro passado, a empresa nos apresentou a petição que atestava a segurança da barragem, mas as investigações ainda estavam em andamento”, completou.

Ele adiantou ainda que entrou com uma medida cautelar para pedir o bloqueio de R$ 5 bilhões da Vale com o objetivo de custear as despesas ambientais. A Justiça já bloqueou R$ 1 bilhão em bens da empresa para ser depositado em uma conta judicial.

Últimas notícias