Motorista culpa jovem por assédio: “Estava com short tipo Anitta”

Segundo o acusado de assediar uma menina de 17 anos, ele só fez isso porque ela estava com "uma miniblusa e as pernas abertas"

Reprodução

atualizado 18/02/2020 19:15

O motorista de aplicativo de transporte acusado de assediar uma jovem de 17 anos durante um trajeto em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, tentou justificar o ato: ele disse que a menina estava “usando um short tipo Anitta”. Para ele, com isso, a garota estava querendo chamar atenção.

“[No vídeo] Ela está sorrindo bem espalhada no banco, em posições que eu nem gostaria de citar aqui, já que isso eu não posso provar”, começou a dizer o motorista. Veja:

Na sequência, ele tenta legitimar o assédio pelas vestimentas da adolescente: “Ela estava com um short tipo Anitta, com uma miniblusa e as pernas abertas”.

Em resposta à entrevista concedida pelo acusado, a cantora Anitta foi às redes sociais. “Acabei de receber este vídeo onde o motorista de Uber que assediou uma passageira menor de idade tenta justificar o injustificável (seu assédio) dizendo que a menina estava usando um short “tipo Anitta” e sentada numa posição favorável ao assédio”, escreveu.

Entenda
A adolescente de 17 anos gravou e divulgou vídeo nas redes sociais de um assédio que ela sofreu por um motorista do aplicativo Uber durante corrida realizada na tarde de domingo (16/02/2020), na cidade de Viamão, região metropolitana de Porto Alegre.

A jovem se deslocava para a casa de uma amiga quando foi abordada pelo condutor. Ao perceber que estava sendo assediada, começou a gravar o diálogo com a câmera virada para o próprio rosto.

Ele diz que poderia namorar com ela, ao que ela responde que é menor de idade. O condutor insistiu, dizendo que não seria um problema. “Problema seria se tu tivesse 13 anos. E eu acho que tu não tem 13 anos… De, 14 para cima tu já é responsável”, retrucou.

Depois o homem diz que a namoraria se a adolescente não tivesse namorado. A jovem rebate: “Mas tu tem idade para ser meu pai”. Ele insiste: “Não sou teu pai nada…”. Ela continua: “Mas tem idade…”. Ele insiste: “Eu faria coisas que teu pai não faria. Pode ter certeza”.

Ao fim da viagem, ela denunciou o perfil do motorista no aplicativo e registrou boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher de Viamão. A Uber informou que o colaborador teve a conta banida e não atua mais na plataforma.

Últimas notícias