metropoles.com

Mostrar infração de trânsito nas redes sociais dará multa de R$ 2,9 mil e perda de CNH

Projeto de lei determina que o exibido terá a CNH suspensa por 12 meses. E as plataformas que não retirarem o conteúdo serão punidas

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução: YouTube
Bolsonaro pilotando uma motocicleta - Metrópoles
1 de 1 Bolsonaro pilotando uma motocicleta - Metrópoles - Foto: Reprodução: YouTube

A Câmara dos Deputados aprovou, e agora o Senado está analisando, um projeto de lei (o nº 130/2020) que vai dar muita dor de cabeça para aqueles motoristas exibidos. O PL proíbe a divulgação de vídeos e fotos nas redes sociais de qualquer infração de trânsito, como aquelas em que o motorista dirige em alta velocidade (ou sem capacete, como o presidente Bolsonaro na foto) e ainda se gaba.

As punições são pesadas: quem divulgar esse tipo de material será autuado e pagará multa de R$ 2.934,70 (infração gravíssima, de R$ 293,47, multiplicada por 10). Se repetir a infração, a multa dobra para R$ 5.869,40. E o sujeito ainda terá a suspensão da CNH por 12 meses. 

E mais: as plataformas que não retirarem o conteúdo em até 24 horas após a notificação judicial também serão punidas. Podem, por exemplo, ser advertidas, multadas, suspensas e até proibidas de continuar funcionando.

E não esqueça:  o processo penal vai continuar mesmo sem o flagrante por um agente de trânsito (o conteúdo divulgado nas mídias sociais servirá) como prova.

O projeto de lei foi sugerido pela deputada federal Christiane Yared (PL-PR). Ela confessa que estava de olho, ao propor o PL, nas pessoas praticando “rachas” ou “pegas”. “Essas pessoas estão pondo em risco a vida alheia, sem que isso sofra qualquer tipo de restrição ou de controle de conteúdo”, afirma a parlamentar.

Advogado nas Jaris
E também está tramitando no Congresso outro projeto de lei (o nº 1819/21) que garante ao motorista autuado por infração de trânsito ser representado por um advogado no julgamento feito pelas juntas de recursos, as famosas polêmicas Jaris, ou por conselhos estaduais e distrital de trânsito. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não prevê – pelo menos expressamente – que a defesa do motorista nesses órgãos pode ser feita por meio de advogado. 

O autor do projeto é o deputado Fábio Trad (PSD-MS). À Agência Câmara de Notícias, ele explicou que, em caso de autuação de trânsito, a defesa prévia é apresentada diretamente à autoridade que impôs a penalidade. “O recurso contra multa de trânsito, primeiramente, é apresentado ao órgão que autua”, observa. Rejeitada a defesa pelo órgão, no entanto, podem ser apresentados recursos à Jari, como primeira instância, e aos conselhos estaduais ou Distrital de trânsito, como segunda instância de julgamento. 

Trad destaca que o projeto passaria a permitir a atuação de advogado somente a partir do julgamento dos recursos, sendo admitida a possibilidade de sustentação oral, que é quando o advogado se manifesta pessoalmente diante do colegiado. 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações