Morre, aos 71 anos, o jornalista e poeta Tetê Catalão

Letrista, músico e ativista cultural, Vanderlei dos Santos Catalão deixou o nome marcado em Brasília

atualizado 02/01/2020 16:42

Agência Brasil

O jornalista e poeta Vanderlei dos Santos Catalão morreu, na madrugada desta quinta-feira (02/01/2020), aos 71 anos, vítima de uma hepatite fulminante e insuficiência renal. Tetê Catalão ou mesmo “TT Catalão”, como era conhecido, deixou o nome marcado, principalmente em Brasília, onde chegou a ser protagonista no antigo Ministério da Cultura, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O velório do jornalista será realizado nesta sexta-feira (03/01/2019), a partir das 10h, na 508 Sul, no Espaço Cultural Renato Russo, e o enterro está marcado para as 16h no cemitério Campo da Esperança.

Além de jornalista, ele era letrista, músico e ativista cultural. Tetê Catalão deixou o Rio de Janeiro em 1972 e veio para Brasília com intuito de se tornar um dos instrumentistas da banda de rock Portal. Depois disso, ganhou notoriedade com projetos culturais no Distrito Federal.

No governo Lula, passou a ser um dos mentores da construção coletiva do Programa Cultura Viva, um dos projetos mais bem avaliados do ministério.

Ocupou, entre os anos de 1997 e 2003, o cargo de editor de Pesquisa e Informação do Correio Braziliense. Nesse período, trabalhou como consultor de conteúdo para o programa Cultura Ponto a Ponto, no qual explanava sobre a cultura popular brasileira.

Em recente entrevista à Rádio EBC, Tetê mostrou o amor que tinha por Brasília. “A cidade que nasceu de um sonho tem o compromisso de fazer da realidade, um sonho ainda mais bonito”, afirmou.

Ele defendeu ainda que a cidade “é uma construção permanente”. “Ela nunca vai estar pronta. Tínhamos a sensação de viver numa cidade comum, bem perto da utopia”.

Por meio de nota, o governador em exercício do Distrito Federal, Paco Britto, lamentou a morte de Tetê Catalão.

Veja a íntegra:

“Um belo samba diz que poeta que morre é semente. Brasília chora e lamenta a morte de TT Catalão, poeta, músico, visionário, figura marcante na cultura de Brasília, que nos deixa mais pobres, embora suas palavras — às vezes de revolta, às vezes de esperança — continuem vicejando.

TT Catalão foi também servidor público, ocupando vários cargos, deixando sua marca em projetos inovadores que incentivavam a produção e difusão cultural, tanto no DF quanto em nível nacional.

Carioca, encontrou em Brasília a musa inspiradora de muitas de suas poesias; brasileiro, jamais perdeu a esperança de viver num país melhor; humano, buscou sempre o melhor nas pessoas.

Mas o luto pelo poeta não sufoca a poesia. Como diz um de seus mais conhecidos poemas: “Ah/ esta solidão celular/ ter tantos ao meu alcance/ e não ter com quem falar”.

Sindicado dos jornalistas
Em nota, o Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal prestou uma homenagem a Tetê Catalão. “Sua trajetória de vida e luta foi e sempre será uma inspiração para estudantes e profissionais do jornalismo em Brasília e no Brasil”, diz trecho da manifestação.

Últimas notícias