Só 8% das ações contra desmatamento na Amazônia resultaram em punição

A avaliação leva em consideração o programa Amazônia Protege, que é uma iniciativa do próprio órgão, para monitorar o desmatamento ilegal

atualizado 05/07/2022 14:29

mineração na amazôniaIgo Estrela/Metrópoles

Levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), divulgado nesta terça-feira (5/7), demonstrou que o Ministério Público Federal (MPF) puniu, entre 2017 e 2020, apenas 8% dos infratores ambientais que atuaram na Amazônia.

A avaliação leva em consideração o programa Amazônia Protege, que é uma iniciativa do próprio órgão, para monitorar, por meio de satélites e bancos públicos, os crimes cometidos no bioma.

Lançado em 2017, a intenção seria instaurar ações civis públicas contra os responsáveis pelos desmatamentos ilegais com mais de 60 hectares registrados pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Durante o período de análise, os pesquisadores levantaram 3.561 processos movidos pelo MPF nos nove estados que compõem a Amazônia Legal: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

As ações tinham o objetivo de responsabilizar desmatadores ilegais pela derrubada de 231.456 hectares de floresta, com pedidos de indenizações que somaram R$ 3,7 bilhões. Cerca de de 18% das ações, 650, tinham sentença em primeira instância até outubro de 2020. Dessas, 67%, ou 440, tiveram recursos.

Em apenas 8% (51) das ações os réus foram condenados ou assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Os outros 13 casos (2%) foram de sentenças improcedentes, em que os juízes negaram todos os pedidos do MPF.

Punição de desmatadores, segundo Imazon

Também na esfera da primeira instância, 506 (78%) dos processos foram extintos “sem resolução do mérito”. Ou seja, os juízes entenderam que o órgão não apresentou elementos suficientes para a tramitação das ações. Já em 80 casos (12%), os magistrados determinaram o envio para julgamento da Justiça Estadual.

Segundo Jeferson Almeida, pesquisador do Imazon, a inovação de o MPF usar dados remotos que comprovam o dano ambiental conta com jurisprudência favorável do STJ.

“A expectativa, agora, é de que esse entendimento seja adotado de forma mais célere nas decisões em primeira instância para que mais processos resultem em condenação e na obrigação de pagamento de indenização pelo dano ambiental causado à toda sociedade com o desmatamento da floresta Amazônica ”, afirma o especialista.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias