Mega-Sena: Gleisi “libera” sortudos do PT de pagarem dízimo ao partido

Presidente da sigla afirma que vitória do prêmio de R$ 120 milhões não entra na regra que obriga filiados a pagar percentual do salário

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 19/09/2019 19:45

Os vencedores do bolão da Mega-Sena filiados ao PT não vão precisar dar o “dízimo”, como são batizadas as contribuições que parlamentares e ocupantes de cargos de confiança filiados têm que fazer ao partido. Pelo estatuto petista, quem for membro do PT tem de contribuir com um porcentual de 2% a 20% do salário para ajudar na manutenção da legenda. O prêmio total foi de R$ 120 milhões e cada cota deve render aos apostadores pouco menos de R$ 2,5 milhões.

“Não. O prêmio não entra na regra. Mas quem quiser doar uma parte, será muito bem-vindo”, afirmou a presidente do PT, Gleisi Hoffmann. O jornal O Estado de S. Paulo apurou que uma vencedora que está lotada na assessoria técnica já afirmou que vai doar uma porcentagem.

O porcentual varia de acordo com o valor do salário e é maior para os parlamentares. A cobrança do dízimo pelo PT já foi contestada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que proibiu o desconto na folha de pagamento. Mas o estatuto do partido, alterado em 2007, mantém a obrigatoriedade do pagamento mensal. Os parlamentares inadimplentes ficam sujeitos até a serem expulsos da legenda.

Dos 96 servidores nomeados no gabinete da Liderança, apenas um foi deputado: Wadih Damous (PT-RJ). De acordo com dirigentes do partido, ele não participou do bolão.

O grupo que apostou é formado por assessores e funcionários da Câmara. De acordo com dois vencedores, que pediram anonimato, cada cota tinha valor de R$ 10. Assim que saiu o resultado, o grupo saiu comemorando pelo corredor chamando a atenção de quem passava. O prêmio dos petistas é o terceiro maior deste ano e um dos 20 mais altos da história. O maior foi sorteado em maio, para um sortudo que levou R$ 289 milhões.

Últimas notícias