Justiça goiana manda plano pagar parto de bebê com síndrome de meio coração

A mãe, Gabriella Castro, conseguiu garantia de que plano de saúde pagará parto e tratamento de Elisa, que deve nascer na 2ª feira em SP

atualizado 06/02/2021 16:44

Goiana Gabriella Castro luta na justiça para garantir parto da filha, que tem síndrome do meio coraçãoArquivo pessoal

Goiânia – A goiana Gabriella Castro e Silva, 30 anos, obteve, nesta semana, uma decisão favorável da Justiça que garante a realização do parto da filha, programado para o início da próxima semana, no Hospital da Beneficência Portuguesa, em São Paulo. A menina, que será batizada de Elisa, foi diagnosticada com a rara Síndrome da Hipoplasia do Coração Esquerdo (SHCE), mais conhecida como síndrome do meio coração, na qual o lado esquerdo do órgão não funciona da forma como deveria. Dessa forma, o outro lado fica sobrecarregado.

De São Paulo, onde está desde meados de janeiro, Gabriella conversou com o Metrópoles por telefone. Ela disse que vive um misto de alívio e expectativa. “Depois de tantas incertezas nos últimos dias, esse fim de semana será de paz. Estou aliviada. Vou me preparar para, na segunda-feira, receber a minha filha tão esperada da melhor forma possível. Com muito amor!”, afirma. Elisa é o primeiro bebê dela e também da família do marido. “É a primeira filha, neta e sobrinha. Pensa em como será um bebê paparicado”, diz.

A família tenta na Justiça desde o ano passado garantir o acompanhamento médico do parto e posterior para Gabriella e a filha. A outra parte no caso, o Instituto de Assistência Médica à Saúde do Servidor Público de Senador Canedo (Iamesc), vem sempre recorrendo. Há alguns dias, Gabriella e a cunhada foram para São Paulo para ter mais garantias de acompanhamento para a criança após o parto.

Segundo a mãe, pouco depois do nascimento, o bebê precisará passar por uma cirurgia cardíaca. Dependendo da recuperação, ela precisará de outra intervenção cirúrgica em três ou quatro meses. A mãe explica que a cardiopatia é muito rara e que as cirurgias pelas quais tem que passar são delicadas. Até que esse processo seja concluído, mãe e filha seguirão em São Paulo. “Dará tudo certo”, espera.

0
Decisão

Entre muitas idas e vindas judiciais, com avanços de uma parte ou da outra, esta semana, decisão do desembargador Itamar de Lima, do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), determinou que o Iamesc custeie o parto e o tratamento da criança no hospital paulista. O valor é estimado em R$ 400 mil. Em nota, o Iamesc informou que vai arcar de forma integral com o parto de Gabriella e todo tratamento da criança no Hospital da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Últimas notícias