Julgamento de trio acusado de matar Ariane é suspenso por 90 dias

Segundo o juiz Jesseir Coelho, os acusados devem ser submetidos a exame de sanidade mental. Interrogatórios ocorreram nesta quarta (9/2)

atualizado 09/02/2022 19:04

suspeitos pela morte de ariane bárbara laureano, em goiânia Divulgação/PCGO

Goiânia – Após os interrogatórios dos três acusados pela morte de Ariane Bárbara Laureano de Oliveira, de 18 anos, a Justiça de Goiás suspendeu o julgamento para a realização de exames de sanidade mental dos amigos da vítima. Com isso, o juízo deve ser postergado em, pelo menos, 90 dias. A arguição dos jovens ocorreu na tarde desta quarta-feira (9/2) de forma virtual.

O juiz Jesseir Coelho de Alcântara ouviu Jeferson Cavalcante Rodrigues, 22, Enzo Jacomini Carneiro Matos, 18, e Raíssa Nunes Borges, 19. O trio é acusado de matar a garota a facadas após sair de casa para lanchar, em Goiânia, em agosto. O corpo foi encontrado dias depois. Segundo a Polícia Civil, a vítima foi assassinada por que uma amiga queria testar se era psicopata e sentiria ou não culpa após o crime.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
Publicidade do parceiro Metrópoles 7
0

De acordo com o magistrado, Jeferson e Raíssa falaram bastante durante o interrogatório e chegaram a detalhar algumas situações, mas Enzo permaneceu em silêncio.

Suspensão

Conforme explicação do juiz, com os interrogatórios, chegou ao fim a instrução processual e a colheita de provas do caso. Segundo ele, a próxima etapa seria a fase dos memoriais, ou seja, as alegações finais do réus. “Terminado o interrogatório, nós iríamos passar para a fase dos memoriais, entretanto, havia um pedido feito anteriormente pela defesa do réu Jeferson, no sentido de que ele fosse submetido ao exame de sanidade mental, que estava pendente. Portanto, entendi pelo deferimento e extensão aos outros envolvidos”, disse ele.

De acordo com Jesseir Alcântara, em razão da realização dos exames, o processo ficará suspenso por aproximadamente 90 dias. “Só depois da concretização dos exames e dos laudos que nós abriremos a oportunidade para as alegações finais. Aí então esse juízo vai decidir se os acusados vão ou não a julgamento pelo júri popular”, completou ele.

Ainda segundo o magistrado, os réus que falaram nos interrogatórios jogaram a responsabilidade do crime para a menor envolvida no caso.

Crime

O corpo da jovem foi encontrado em uma mata do Setor Jaó, coberto por pedras e entulho de obras, em 31 de agosto do ano passado. Antes disso, Ariane ficou sete dias desaparecida. No dia em que desapareceu, ela enviou um áudio para a mãe avisando que ia se encontrar com as amigas.

“As meninas me chamaram para comer lá no Jaó. Elas vão me buscar de carro, mãe. Aí eu vou, né? Vai pagar a comida, me buscar de carro e me deixar em casa, sou besta?”, disse a jovem, feliz por sair com amigos.

As investigações da Polícia Civil apontaram que os três suspeitos chamaram a vítima para lanchar dizendo que a buscariam em casa e a levariam de volta após o passeio.

No entanto, a corporação apurou que o grupo planejou o crime no dia anterior, tendo feito até uma lista de possíveis alvos e escolhendo Ariane por ela ser pequena e, teoricamente, fácil de segurar caso resistisse.

Mais lidas
Últimas notícias