Jovem é suspeito de matar amante gay para não atrapalhar seu casamento

Câmeras de monitoramento registraram momento em que suposto criminoso ateia fogo no carro em que colocou cadáver no banco de trás com lençol

atualizado 09/03/2022 11:53

Jovem é preso suspeito de matar amante e queimar corpo da vítima, em Goiânia, GoiásDivulgação

Goiânia – A Polícia Civil de Goiás concluiu, nesta quarta-feira (9/3), a investigação sobre o homicídio de um homem de 32 anos, supostamente assassinado pelo amante dele, de 18, na capital. Segundo a investigação, o jovem, que está preso e tinha união estável com mulher, também ateou fogo no corpo da vítima para não atrapalhar o casamento dele.

Vídeo de câmeras de monitoramento mostram o momento exato em que o jovem colocou fogo no carro em que estava o corpo de seu amante, Heder Henrique de Sousa Urzeda. Sem ter o nome divulgado, o suspeito foi preso, em Goianira, na região metropolitana, no último dia 25 de fevereiro. A companheira do jovem estava grávida dele à época do crime.

Veja o vídeo

De acordo com a Polícia Civil de Goiás, o crime foi praticado em 7 de outubro de 2021. Na ocasião, segundo a investigação, os amantes se desentenderam em uma kitnet onde morava o suspeito, e Heder Henrique foi morto no local, que fica no setor Jardim Colorado, região noroeste da capital.

Corpo em lençol

A Polícia Civil apurou que o autor enrolou o corpo de Heder Henrique em um lençol e o colocou no carro usado pela vítima para encontrar o jovem. O autor do crime dirigiu até outro local onde colocou fogo no veículo com o cadáver dentro.

O veículo e a vítima foram encontrados na Avenida São Domingos, no Jardim Liberdade, por uma testemunha. O Corpo de Bombeiros foi chamado ao local para apagar o incêndio. O veículo pertencia à mãe da Heder.

Preocupação

Na data do crime, a mãe de Heder Henrique e outro filho dela enviaram mensagens para a vítima, preocupados porque ainda não havia chegado em casa. Entretanto, as mensagens não foram respondidas durante a madrugada. Ligações também não foram atendidas.

O corpo foi identificado no início das investigações com base em documentos e exame papiloscópico.

No decorrer das investigações, a Polícia Civil pediu a prisão temporária do autor, o que foi acatado pelo Poder Judiciário. Depois de praticar o crime, segundo a investigação, o suspeito fugiu para a zona rural de Ipameri e, em seguida, para o estado do Tocantins, na tentativa de dificultar sua captura.

No entanto, o suspeito foi localizado pela equipe policial em um estabelecimento comercial da cidade de Goianira, no fim do mês de fevereiro deste ano.

“Mata-leão”

Durante interrogatório, o autor admitiu a autoria do crime. Segundo a polícia, ele disse que seu amante apresentou um comportamento agressivo contra ele, o que o fez matá-lo com um golpe “mata-leão” (sufocamento).

Contudo, o laudo cadavérico constatou que o óbito foi provocado por facadas na cabeça e peito da vítima, além do corpo ter sido carbonizado. A vítima e o suspeito não tinham nenhum antecedente criminal.

O suspeito está custodiado na Delegacia Estadual de Capturas (Decap), em Goiânia. Ele foi indiciado por homicídio qualificado, incêndio e destruição de cadáver.

O Metrópoles não encontrou contato da defesa do suspeito nem de familiares de Heder Henrique até o momento em que publicou este texto, mas o espaço segue aberto para manifestações.

Mais lidas
Últimas notícias