João de Deus dormiu em matagal antes de se apresentar à polícia

Ansioso e aflito com as denúncias de abuso sexual, o médium acampou em bosque próximo ao sítio onde ficou recolhido

Michael Melo/MetrópolesMichael Melo/Metrópoles

atualizado 17/12/2018 10:19

Após ficar recolhido em um sítio nos arredores de Goiânia, João de Deus, acusado por centenas de mulheres de ter cometido abuso sexual, não conseguiu lidar com o assédio dos repórteres e a notícia de que a Justiça havia decretado sua prisão e decidiu refugiar-se em um bosque próximo à cidade de Abadiânia (GO). As informações foram divulgadas pela coluna de Mônica Bergamo, do jornal A Folha de S.Paulo.

O líder espiritual, conhecido em todo o país e no exterior, ficou ansioso e aflito. Na madrugada de sábado (15/12), não conseguiu dormir e montou uma barraca ao chegar ao local. De acordo com a reportagem, o médium não queria sair de lá para nada, sob a alegação de que precisava ficar sozinho e meditar. Voltou à casa já tarde da noite. João de Deus tomou banho, comeu alguma coisa e, em seguida, voltou para o bosque.

O sítio nos arredores de Goiânia é de uma família que teve um de seus integrantes diagnosticado com câncer terminal na infância e foi salvo pelo médium há duas décadas.

Por volta das 16h30 desse domingo (16), João de Deus se entregou às autoridades goianas. A defesa do médium negociava a rendição do líder religioso com a Polícia Civil de Goiás desde sexta-feira (14), quando a Justiça do estado expediu mandado de prisão contra o fundador da Casa Dom Inácio de Loyola.

Ele é acusado de abusar sexualmente de centenas de mulheres – alguns atos teriam acontecido há mais de 20 anos. Às 17h55 de domingo, o comboio policial responsável para fazer a segurança do médium chegou à Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), em Goiânia, onde João de Deus prestou depoimento por mais de quatro horas.

Últimas notícias