Homem ofende chef de cozinha: “Sapatão. Negrinha. Safada”. Veja

Genivaldo Quirino dos Santos xingou casal de mulheres, foi filmado e acabou detido pela polícia. Caso aconteceu em Salvador (BA)

Reprodução/Instagram

atualizado 27/02/2020 22:35

A chef Nelly de Oliveira Alves, de 30 anos, filmou parte da agressão verbal que sofreu, ao lado da esposa, a funcionária pública Luiza Machado Oliveira, 28, de um homem identificado como Genivaldo Quirino dos Santos na tarde de quarta-feira (26/02/2020). O casal estava em um atacadão de Salvador quando o caso aconteceu.

As informações são do jornal Correio*, da Bahia.

Nelly relatou o episódio em um post no Instagram. Segundo a chef, elas estavam no Atakadão Atakarejo quando Genivaldo começou a assediá-la, passando a língua entre os lábios e olhando para o traje que ela estava vestindo, um short. A agressão com insultos lesbofóbicos e racistas começou quando Nelly questionou o homem, que, enfurecido, passou a ofendê-la. Veja:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Caso acabou de acontecer comigo dentro do @oficialatakarejo do caminho de areia em Salvador, caso de importunação sexual seguido de Lesbofobia. Após esse senhor de idade olhar para mim e passar a língua entre os lábios e vir andando atrás de mim perguntei o motivo daquilo, que eu não estava entendendo ele começou a ficar nervoso e chamar de sapatão, nigrinha, safada, descarada eu e minha esposa de forma extremamente vexatória e chamando a atenção de todo mercado no qual o atakadao foi extremamente omisso, dizendo que eles não poderiam fazer nada, o gerente só pediu que parasse de chamar a atenção do mercado e eu continuei filmando Estou bastante nervosa e nunca passei por algo parecido, é ridículo a mulher não poder colocar um short por medo do que vão achar. Muitos vão se perguntar o que o gerente poderia ter feito no ato falou que não podia conter então perguntei pra ele que se tratasse de um roubo ou furto se eles também ficariam omissos?! Será que se eu estivesse na companhia de um homem este senhor faria gestos com a boca e falaria assim comigo? #homofobia #lgbt #lgbtq🌈 #importunacaosexual #naoenao #respeito

Uma publicação compartilhada por Nelly De Oliveira (@nelly_olliveira) em

A chef descreveu na postagem a situação e parte das ofensas. “Me chamou de sapatão, nigrinha, safada, descarada… Tratou eu e minha esposa de forma extremamente vexatória”, relatou.

Confrontado, o homem segue proferindo as ofensas, mas vira as costas e tenta escapar. As duas vítimas foram até policiais que estavam no estacionamento e relataram o episódio. O homem foi encontrado, detido e levado para a Central de Flagrantes, onde Nelly e Luiza fizeram um Boletim de Ocorrência (BO). “O caso foi tipificado como injúria, mas deve ser ajustado para homofobia. Estou bastante nervosa e nunca passei por algo parecido. É ridículo a mulher não poder colocar um short por medo do que vão achar. Nada vai pagar aquela vergonha”, desabafou Nelly à reportagem do jornal baiano.

O casal garante que vai processar o supermercado – por omissão, pois o gerente do estabelecimento teria alegado que não poderia fazer nada – e o agressor. “O gerente só pediu que parasse de chamar a atenção do mercado e eu continuei filmando. Muitos vão se perguntar o que o gerente poderia ter feito. No ato, ele falou que não podia conter. Então perguntei pra ele que se tratasse de um roubo ou furto se eles também ficariam omissos. Será que se eu estivesse na companhia de um homem esse senhor faria gestos com a boca e falaria assim comigo?”, questiona Nelly.

Em nota, o Atakarejo alega que “preza pelo respeito e segurança” dos clientes: “O Atakarejo informa que se ofereceu, a todo momento, para prestar qualquer ajuda. A rede não coaduna com nenhuma prática de discriminação social e racismo, preza pelo respeito e segurança dos seus clientes, ratificando isso através do seu código de conduta e procedimentos internos”.

Últimas notícias