Homem armado ameaça gerente que humilhou caminhoneiro por milho; vídeo

Imagens mostram que homem voltou ao local onde motorista de caminhão foi gravado enquanto tentava furtar 20 espigas de milho em Goiás

atualizado 11/05/2022 18:17

Homem armado ameaça gerente de fazenda que humilhou caminhoneiro por tentar furtar espigas de milho em GoiásReprodução

Goiânia – Em nova repercussão do caso de caminhoneiro que foi humilhado por gerente de uma fazenda ao tentar furtar 20 espigas de milho em Goiás, um homem armado voltou ao local e gravou um vídeo para ameaçar o autor das ofensas contra o motorista de caminhão. O caso ocorreu às margens de uma rodovia que corta o município de Cabeceiras, nordeste de Goiás, a 339 km da capital.

O episódio ganhou repercussão depois de o gerente da Fazenda Bianco, Fernando Rosbach, humilhar o motorista de caminhão e atacar o que ele chamou de “goianada”. Ele publicou o vídeo em suas redes sociais, no último sábado (7/5), mas depois o excluiu porque suas “atitudes preconceituosas” não foram apoiadas pelo próprio patrão dele.

Veja vídeo abaixo:

O caso levantou polêmica na internet, e o homem armado voltou ao local para fazer ameaças. “Olha, seu Fernando, onde estou aqui, na beira de seu milho, na beira de sua fazenda, né? Que não é sua, né, seu merda? Vou pegar três sacos de milho aqui agora. Vem me chamar de ladrão aqui”, afirmou o homem, que gravou o vídeo. Ele não foi identificado.

O homem armado também criticou a Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra), já que a lavoura não está cercada e, segundo moradores da região, ainda invade uma parte do acostamento, em faixa de domínio público. “Cadê a Goinfra que não vem botar você [Fernando] para fazer cerca nessa merda aqui?”, questionou ele.

O Metrópoles não obteve retorno da assessoria de imprensa da Goinfra até o momento em que publicou este texto, para saber se a lavoura invadiu, ou não, parte do acostamento e quais medidas de fiscalização tem adotado no estado para que empreendimentos não avancem para a faixa de domínio.

“Motorista ladrão”

Em vídeo anterior, o gerente da fazenda gravou a situação no momento em que o caminhoneiro já carregava as espigas de milho nos braços. “Eu vou procurar na internet quem é o dono desta empresa. Aqui o motorista ladrão, roubando meu milho. Parabéns, cara, você acaba de ser notificado como ladrão”, disse o gerente da Fazenda Bianco.

Veja vídeo abaixo:

Em seguida, o caminhoneiro perguntou se poderia deixar as espigas onde estava, mas Fernando ordenou que fossem deixadas na caminhonete. “Põe lá dentro da caminhonete. Vou passar para polícia”, afirmou o gerente.

“Roubando milho”

“Vou mostrar como faz agora essa goianada roubando milho, não tem vergonha na cara, não tem caráter. Se eu for à sua casa, entrar no seu quintal e pegar alguma coisa, sou ladrão ou não sou?”, questionou Fernando. O caminhoneiro, por sua vez, concordou e pediu “desculpa”.

No entanto, o gerente não parou de gravar nem de atacar o caminhoneiro. “Então, não custa nada pedir. Por que tem que pegar?”, perguntou, de novo, Fernando, antes de o caminhoneiro colocar as espigas na parte traseira da caminhonete.

Repúdio

O vídeo viralizou e repercutiu nas redes sociais. O prefeito da cidade de Cabeceiras (GO), Tuta, reclamou do gerente para o dono da fazenda Bianco e repudiou o caso.

“Boa tarde a todos, foi com muita tristeza que recebi o vídeo desse episódio envolvendo o caminhoneiro e o gerente da fazenda Bianco. Logo em seguida, fiz contato com o proprietário da fazenda, Arno Bruno Vaz, por não ter o contato do gerente Fernando”, diz um trecho da nota. “É inadmissível que uma pessoa se acha no direito de corrigir um erro com exageros e humilhações”, afirmou.

O presidente do sindicato Rural de Cabeceiras, Jacó Rotta, também se pronunciou e manifestou “indignação”. “A atitude tomada extrapolou os limites do bom senso e respeito ao próximo. Não é certo pegar sem permissão, mas não justifica tal atitude. Em nome de todos os produtores, pedimos desculpas pelo ocorrido”, afirmou.

“Atitudes preconceituosas”

Em nota, o dono da Fazenda Bianco, Arno Bruno Weis, disse “não apoiar comportamentos e atitudes preconceituosas como as proferidas pelo gerente ao se deparar com uma pessoa furtando milho em uma das lavouras”. “Uma atitude injustificável”, afirmou.

No entanto, o fazendeiro disse que sofre prejuízos significativos com os exagerados furtos diários de milho. “Já houve casos de pessoas com carga completa de milho em camionetes e pequenos caminhões. Em algumas oportunidades pessoas armadas praticando o furto de milho. Para reduzir os furtos nunca se sabe quem vamos encontrar roubando milho”, disse.

Após toda a repercussão, ao longo desta semana, áudios atribuídos ao gerente Fernando Rosbach circularam nas redes sociais. Neles, o homem pede desculpas e disse que não quis ofender os moradores de Cabeceiras e nem os goianos.

O Metrópoles não conseguiu contato com o gerente da fazenda que fez a gravação nem com o motorista do caminhão, que não teve a identidade divulgada.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias