Haddad: legalizar milícias é o próximo passo de Bolsonaro

Candidato do PT, derrotado nas Eleições de 2018, criticou decreto do presidente que flexibilizou as regras para posse de armas

Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 15/01/2019 13:59

Horas antes do presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinar um decreto responsável por flexibilizar as regras para cidadãos brasileiros terem armas de fogo, o candidato derroto à Presidência da República Fernando Haddad (PT) afirmou, em sua conta no Twitter, que o próximo passo do novo governo é a “legalização das milícias”.

Na publicação, feita na manhã desta terça-feira (15/1), o político associa a liberação do armamento a um período de “pré-modernidade”. Na avaliação de Haddad, a permissão para a posse de armas defendida pelo presidente “nos conduzirá à privatização desse serviço público”.


Mais cedo, ao assinar o decreto, Jair Bolsonaro destacou que a nova regulamentação trata apenas da “posse” de armas, não alterando as regras sobre o porte. Dessa forma, o cidadão que optar por ter um armamento não poderá carrega-lo fora de ambientes controlados.

“O povo decidiu por comprar armas e munições”, afirmou durante evento onde anunciou a nova medida. “Como o povo soberanamente decidiu, fazendo o referendo de 2005 [sobre o desarmamento], para lhes garantir esse legitimo direito à defesa, eu, como presidente, vou usar essa arma”, disse, mostrando a caneta que usou para assinar o decreto.

Últimas notícias