metropoles.com

Guedes quer pedir R$ 30 bi para Auxílio Brasil em crédito extraordinário

O ministro da Economia palestrou em evento econômica, na noite desta quarta (20), e afirmou que a “política decidirá o formato do auxílio”

atualizado

Compartilhar notícia

Thiago Araújo | Kardel LIVE MEDIA
Paulo Guedes
1 de 1 Paulo Guedes - Foto: Thiago Araújo | Kardel LIVE MEDIA

O ministro da Economia, Paulo Guedes, analisa pedir cerca de R$ 30 bilhões fora do teto de gastos por meio de crédito extraordinário. A verba é para custear parte do programa Auxílio Brasil, que pretende substituir o Bolsa Família e pagar um benefício de R$ 400.

O titular da pasta anunciou a possibilidade em evento realizado na noite desta quarta-feira (20/10). Durante a 48ª edição do prêmio Melhores e Maiores, chefe da pasta disse ainda que o movimento não seria necessário se a reforma do Imposto de Renda já tivesse sido aprovada no Senado Federal.

Guedes ainda afirmou que o “formato para o auxílio está a cargo da política. A política está decidindo até onde estica”, disse.

Teto de gastos

Também nesta quarta, o ministro recuou e admitiu “licença temporária” para furar teto de gastos a fim de incrementar o valor do Auxílio Brasil. Guedes admitiu “licença temporária” para gastar e considerou, até mesmo, antecipar a revisão da regra, que estava prevista para ocorrer em 2026.

Para isso, o governo deve pedir o que chamou de “waiver” (renúncia da regra). Segundo Guedes, o espaço fora do teto será de R$ 30 bilhões, se aprovado.

“Estávamos estudando se faríamos uma sincronização de despesas com o teto. Seria uma antecipação da revisão do teto de gastos. Ou mantém [o teto], mas pede uma licença para gastar essa camada temporária de proteção”, acrescentou. “A camada de proteção é transitória. Nos leva até dezembro do ano que vem. Ou seja, enquanto nós sofrermos esses impactos trazidos pela calamidade da pandemia, nós precisamos de um programa que possa cobrir o preço da comida e da energia, pressionadas pela inflação.”

Sem fonte de recursos

Sem definição sobre a fonte dos recursos, o governo federal pretende pagar R$ 400 para 17 milhões de famílias de baixa renda atendidas pelo novo Bolsa Família. A ideia original era que o valor fosse de R$ 300. Com o acréscimo de R$ 100 determinado por Bolsonaro, o programa social deve custar aos cofres públicos R$ 84,7 bilhões em 2022.

Com a intenção de deixar um marco na área social às vésperas do ano eleitoral, o chefe do Executivo Federal se esforça para aprovar o benefício o mais rapidamente possível e turbinar o Bolsa Família, que se tornou marca registrada das gestões do PT.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?