Guedes alega que falou em “sobra limpa” e não em “restos no prato”

Ministro da Economia se defendeu após polêmica em declaração sobre a relação entre o desperdício de comida e a fome

atualizado 19/06/2021 16:38

Paulo GuedesThiago Araújo | Kardel LIVE MEDIA

Pressionado após polêmica declaração sobre a distribuição de sobras da produção de restaurantes para pessoas que têm fome, o ministro da Economia, Paulo Guedes, se defendeu em nota divulgada nas redes sociais.

Ao participar de um fórum da Associação Brasileira dos Supermercados (Abras) na última quinta-feira (17/6), Guedes comparou o tamanho do prato de um brasileiro de classe média ao de um europeu para ilustrar o problema do desperdício de alimentos no país.

“O ministro lamentou profundamente o foco da repercussão nas redes sociais sobre o assunto levantado no debate: fome em contexto de pandemia e formas de evitar o desperdício com atendimento às leis de vigilância sanitária”, diz a nota (veja íntegra abaixo).

No texto, há frases de Guedes: “Eu me referi à ‘sobra limpa’ que significa, justamente, não os restos no prato, mas panelas de alimentos preparados e não consumidas de arroz, feijão, frango, por exemplo, que em condições de higiene, temperatura e condicionamento, possam manter a qualidade do alimento. Por que não utilizarmos disso para pessoas que precisam e queiram. Por que não pensarmos em polos que mantenham a qualidade da comida para consumo imediato?”.

0
A fala que Guedes diz ter sido mal interpretada

Na quinta, Guedes disse que o Brasil é o “celeiro do mundo” na esfera da produção de alimentos e que, portanto, é “inadmissível” que a população de um país nessa posição passe fome. Como principal causa do problema, ele citou o desperdício.

“Você vê um prato de um classe média europeu, que já enfrentou duas guerras mundiais, são pratos relativamente pequenos. E os nossos aqui, nós fazemos o almoço onde às vezes há uma sobra enorme, e isso vai até o final, que é a refeição da classe média alta, até lá há excesso”, lamentou.

“Com a alimentação que não foi utilizada durante o dia no restaurante, dá para alimentar pessoas fragilizadas, mendigos, desamparados. É melhor do que deixar estragar essa comida, que estraga diariamente na mesa das classes mais altas brasileiras, e também o desperdício ao longo de toda a cadeia produtiva”, completou o ministro na ocasião.

Veja a íntegra da nota de Guedes na postagem do Ministério da Economia:

Mais lidas
Últimas notícias