metropoles.com

Ex de Telmário foi morta dias antes de depor contra ele por estupro

Telmário é acusado de estuprar a própria filha. Antônia, mãe da jovem de 17 anos, iria prestar depoimento, mas foi morta três dias antes

atualizado

Compartilhar notícia

Waldemir Barreto/Agência Senado/ e reprodução
Telmário Mota e Antonia
1 de 1 Telmário Mota e Antonia - Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado/ e reprodução

Antônia Araújo de Souza, de 52 anos, que já teve um relacionamento com o ex-senador Telmário Mota, foi executada com um tiro na cabeça três dias antes de prestar depoimento como testemunha em uma denúncia de estupro contra o político. No caso, que tramita no Judiciário, a filha dos dois diz que foi estuprada pelo pai em agosto do ano passado, quando saiu para comemorar o Dia dos Pais.

Foi deflagrada nesta segunda-feira (30/10), pelas polícias Civil de Roraima e do Distrito Federal, uma operação que tem como objetivo prender o ex-senador por suspeita de ser o mandante do homicídio.

Telmário estava em Brasília, mas saiu do local onde estava nesta segunda. Delegado responsável pela investigação, João Evangelista não descarta que o político tenha obtido informações antecipadas sobre a ação.

0

Quando o estupro teria sido cometido, a filha de Telmário tinha 17 anos. Na época, o caso foi noticiado pelo G1, que informou ter ouvido a jovem com autorização da mãe.

Ela contou, então, que o pai tentou tirar a sua roupa dentro do carro e tocou as suas partes íntimas. Ele confiscou o telefone da adolescente, para evitar que ela pedisse socorro. O senador negou e disse que era vítima de perseguição política.

Telmário segue foragido

Ao Metrópoles, João Evangelista afirmou que Antônia iria prestar depoimento à Justiça no dia 2 de outubro, uma segunda-feira, mas foi morta na sexta-feira que antecedia o depoimento. “A Antônia era uma testemunha muito importante daquele processo”, disse o delegado.

As polícias de Roraima e do Distrito Federal continuam na busca do político, que é considerado foragido, segundo o delegado.

A polícia já prendeu, no interior de Roraima, o suspeito de ser o executor do homicídio. Outro envolvido é um sobrinho do ex-senador, e também está foragido. A polícia aponta, ainda, suspeita de envolvimento de uma ex-assessora de Telmário. O delegado explicou que ela escondeu a motocicleta usada no crime e ajudou a monitorar a vítima.

O outro lado

Advogado de Telmário no caso, Ednaldo Gomes Vidal disse que seu cliente nega as acusações. Segundo ele, o ex-senador só vai se entregar quando a defesa tiver acesso às provas que estão sendo usadas para apontar que seria o mandante da morte de Antônia.

“Quero saber quais foram esses indícios, porque se tiver coisa ilegal nós vamos derrubar”, afirmou. Ednaldo chamou o pedido de prisão de “medida drástica” e “absurda”, e disse que não poderia comentar mais detalhes por ainda não ter completo conhecimento da investigação.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações