A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro fazem operação na manhã desta terça-feira (12/3) para prender suspeitos de envolvimento nos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes. Um policial militar reformado e um ex-PM foram presos.

Apontado como suspeito de atirar na vereadora, o policial militar reformado Ronnie Lessa, 48 anos, é um dos detidos. O ex-PM Élcio Vieira de Queiroz, 46, estaria, segundo as diligências, dirigindo o carro usado no dia do crime. Ele também é alvo da operação, que cumpre mandados de buscas em 34 endereços de outros investigados.

De acordo com o MP, o crime foi planejado nos três meses que antecederam os assassinatos.

O sargento Lessa, preso em casa, mora no mesmo condomínio onde o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem um imóvel, na Barra da Tijuca. Ele entrou na lista de suspeitos após ser vítima de uma emboscada, em 28 de abril, 30 dias depois do assassinato da vereadora. O militar recebeu, em 1998, moção de aplausos, congratulações e louvor da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

 

crime completa um ano no próximo dia 14. Marielle seguia para casa com o motorista e a assessora depois de ter participado de um compromisso público, quando foi atingida na cabeça. O ataque aconteceu na Rua Joaquim Palhares, no centro do Rio, e a suspeita de execução passou a ser investigada imediatamente.

O duplo assassinato mobilizou o Brasil e teve repercussão internacional.

As prisões foram decretadas pelo juiz substituto Guilherme Schilling Pollo Duarte, do 4º Tribunal do Júri, após denúncia do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRJ.

Aguarde mais informações