Esposa foi à igreja com os filhos enquanto dono de cartório era morto

Suspeita de encomendar o assassinato do marido foi para templo enquanto Luiz Fernando era sequestrado e morto em Rubiataba (GO)

atualizado 31/12/2021 17:54

Dono de cartório morto sequestro goias rubiatabaReprodução/Facebook

Goiânia – A mulher presa por suspeita de mandar matar o marido, dono de um cartório em Goiás, foi para a igreja com os filhos no mesmo horário do crime. A vítima foi sequestrada por seus executores na residência do casal e assassinada em seguida, na noite da última terça-feira (28/12).

Luiz Fernando Alves Chaves, de 40 anos, foi encontrado morto em um canavial na madrugada de quarta, depois de ter sido sequestrado em Rubiataba, a 210 quilômetros de Goiânia.

0

Dois bandidos abordaram Luiz dentro de casa, onde ele estava sozinho estudando para um concurso. Os executores o amordaçaram e amarraram as mãos dele com uma abraçadeira de nylon. O dono do cartório foi levado para o canavial na própria caminhonete, uma Hilux SW4 branca.

Enquanto o crime acontecia, a esposa da vítima, Alyssa Chaves Carvalho, de 33 anos, estava com os três filhos em uma igreja. Polícia afirmou que ela usou a ida ao templo religioso como álibi.

“A mãe nunca se direcionava para igreja e, justo na terça-feira, que ele teria o curso da segunda fase de um concurso, ela contou essa história, para ter uma cobertura dessa empreitada criminosa”, defendeu o delegado Marcos Adorno, que investiga o caso.

Presos

As Polícias Civil e Militar de Goiás prenderam quatro suspeitos de participar do assassinato: a esposa da vítima, dois executores de 23 e 21 anos, e uma pessoa da família que teria arrumado a pistola usada no homicídio.

Segundo a investigação, o objetivo de Alyssa era matar o marido e ficar com o valor do seguro de vida que o casal pagava há quatro anos e tinha renovado recentemente.

O judiciário determinou a prisão temporária de Luzimar Francisco Neves, que é suspeito de ter contratado os matadores. A polícia ainda suspeita de um sexto participante do grupo criminosa, uma mulher que teria relação extraconjugal com Alyssa. A suspeita é que ela ajudou a planejar o crime, segundo o delegado.

História interrompida

Luiz Fernando nasceu em Trindade e era titular do cartório de registro de imóveis de Rubiataba, pequena cidade de 20 mil habitantes.

Ele se casou com Alyssa em 2012 e o casal teve três filhos, sendo uma menina de cinco anos de idade e um casal de gêmeos de três anos.Funcionários que trabalhavam na residência do casal relataram para a polícia que os dois tinham brigas pontuais.

O Metrópoles tenta localizar a defesa dos suspeitos presos. Os documentos das prisões em flagrante estão disponíveis no sistema do Tribunal de Justiça de Goiás, mas estão em segredo de justiça.

Mais lidas
Últimas notícias