Em comunidade yanomami, garimpeiros atiram contra policiais federais

Os agentes estavam no local apurando o ataque ocorrido contra os indígenas nessa segunda-feira, quando foram surpreendidos

atualizado 11/05/2021 22:36

YanomamisDivulgação

Depois do ataque de garimpeiros em que tiros foram disparados contra idígenas da comunidade do Palimiú, na Terra Yanomami, nessa segunda-feira (10/5), a Polícia Federal interveio e também foi alvo de disparos.

Nesta terça-feira (11/5), os policiais estavam na comunidade dando inicio às investigações sobre o ataque dessa segunda, quando garimpeiros passaram em barcos pelo Rio Uraricoera e voltaram a atirar. Os agentes da PF revidaram, mas não houve registro de atingidos de nenhum dos lados.

O ataque aos yanomami foi registrado em vídeo compartilhado pela Hutukara Associação Yanomami (HAY) e que mostra o momento em que tiros são disparados contra a comunidade do Palimiú, localizada em Alto Alegre, em Roraima.

Mulheres e crianças que estão no local correm para se proteger. Não há informações sobre o momento exato em que as imagens foram registradas.

Assista:

No momento do confronto, três garimpeiros morreram e quatro ficaram feridos, segundo o presidente do Conselho de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kuanna (Condisi-Y), Junior Hekurari Yanomami. Um indígena também ficou ferido com um tiro na cabeça, mas sobreviveu.

No entanto, após o retorno da equipe de policiais, a PF informou que não foram encontrados corpos de garimpeiros mortos no local. Conforme a corporação apurou, um indígena foi atingido de raspão, sem gravidade.

Ataque

Ainda na tarde de segunda, o presidente do Condisi-Y foi até a comunidade para acompanhar a situação de perto. O relato é que os indígenas foram atacados após apreenderem materiais que seriam destinados ao garimpo. A Polícia Federal investiga o caso.

Junior Hekurari afirma que o local é passagem de garimpeiros, “onde levam gasolina e alimentam todos os locais dos garimpos”.

A comunidade fica às margens do rio Uraricoera, trajeto usado pelos invasores para chegar até os acampamentos no meio da floresta.

Hekurari relatou que encontrou cartuchos de espingardas calibres 12, 28 e 20, além de munições deflagradas de fuzis e de pistolas. Dois quadriciclos foram apreendidos pelos indígenas. “Está um clima tenso, estão com muito medo. Não sei como vai ficar hoje. Todos estão com medo. Homens vão fazer o possível para manter a segurança deles”.

Ainda de acordo com Hekurari, os corpos foram levados pelos próprios garimpeiros. Um dos invasores foi deixado para trás pelo grupo e acabou detido pelos indígenas. O homem foi retirado da região pelo Condisi-Y e entregue à PF e à Funai, em Boa Vista.

Últimas notícias