Em caso raro, gêmeas siamesas nascem interligadas pelo peito

Irmãs vieram ao mundo na última sexta-feira, na Santa Casa de Campo Grande. "Torcendo para que tudo dê certo", relata mãe

atualizado 07/01/2020 10:13

divulgação: hospital Santa Casa de Campo Grande

Em um caso raro, duas bebês nasceram, no último dia 3, interligadas pelo tórax e pela parte superior do abdômen, em Campo Grande (MS). Juntas, Maria Julia e Luna Vitória pesam 3,8 quilos.

A mãe das meninas, Alice Aparecida Silva Gil, conta que descobriu a situação das filhas logo no primeiro ultrassom, em agosto de 2019.

“Fiz meu primeiro ultrassom e fui informada da situação das meninas que estavam interligadas. Meu mundo e do meu esposo caiu. Sabemos que é um caso muito delicado”, diz.

Alice ficou internada no hospital Santa Casa de Campo Grande por quatro vezes. Agora, a expectativa é sair da unidade com as filhas nos braços.

“Queremos que elas fiquem forte logo e levá-as para casa. Estamos torcendo para que tudo dê certo. Só de elas estarem vivas até agora já é uma vitória”, comenta.

A Santa Casa de Campo Grande informa que este é o terceiro caso atendido no hospital nos últimos seis anos.

Nascimento de gêmeas siamesas tem incidência de um para cada 100 mil nascidos vivos. Em geral, somente 18% dos gêmeos nessa condição sobrevivem.

O caso é bastante grave e complexo. Segundo o neonatologista Walter Perez, a decisão em relação à cirurgia de separação depende da anatomia interna dos órgãos e de que forma são compartilhados.

“Nos outros casos, uma das duplas de gêmeos foi estabilizada e transferida para Goiânia. Os outros gemelares foram a óbito ainda no pronto-socorro pediátrico. São casos raros que precisam ser estudados minuciosamente antes de tomarmos qualquer decisão”, explica o médico.

Em nota, o hospital informa que as gêmeas seguem em estado grave, porém estável hemodinamicamente. As meninas estão internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal da Santa Casa e respiram com auxílio de aparelhos.

Últimas notícias