Bolsonaro confirma Marinho e Gilson Machado pré-candidatos ao Senado

No início do mês, presidente disse que ao menos 11 ministros devem deixar o primeiro escalão do governo para disputar as eleições deste ano

atualizado 10/02/2022 19:57

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, aparece ao lado do presidente Bolsonaro em meio a fala. Ambos possuem microfones a frente, sentados numa mesa branca, com folhas de papel espalhadas - Metrópolesreprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PL) confirmou nesta quinta-feira (10/2), durante a sua transmissão semanal ao vivo nas redes sociais, que dois de seus ministros são pré-candidatos ao Senado Federal nas eleições deste ano. Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, deve se lançar pelo Rio Grande do Norte, e Gilson Machado, do Turismo, pelo estado de Pernambuco.

“Somos, hoje, pré-candidatos ao Senado da República. Se tudo der certo, a nossa ideia é manter essa postura e sermos pré-candidatos no nosso estado a senador”, anunciou Marinho, que participou da live ao lado de Bolsonaro.

“[Gilson Machado] também vai se desincompatibilizar. Deve ser candidato ao Senado pelo estado de Pernambuco”, emendou o presidente.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
Publicidade do parceiro Metrópoles 7
0

No início do mês, Bolsonaro disse que ao menos 11 ministros devem deixar o primeiro escalação até março para disputarem as eleições deste ano.

“Dia 31 de março, grande dia, é um pacotão, 11 saem e 11 entram. Da minha parte, vocês só vão saber via Diário Oficial da União”, disse na ocasião.

A lei determina que autoridades do Executivo deixem os respectivos cargos até seis meses antes do pleito, ou seja, até 31 de março do próximo ano.

Mudanças ministeriais às vésperas das eleições costumam ocorrer em todos os governos. Na maioria das vezes, esses cargos são ocupados por interinos, no geral servidores de carreira da própria pasta. As trocas provocam um desfalque momentâneo e, em certa medida, esvaziam os ministérios.

Mais lidas
Últimas notícias