*
 

Sem conseguir até o momento consolidar uma “frente” de apoios contra Jair Bolsonaro (PSL), líderes do PT passaram a defender que o programa de governo da campanha de Fernando Haddad seja deixado de lado em troca de uma pauta mínima capaz de aglutinar adesões no segundo turno.

Na semana passada, durante reunião da coordenação política da campanha, em São Paulo, o vice-presidente do PCdoB, Walter Sorrentino, sugeriu a adoção de uma pauta mínima. Naquele momento, a ideia foi rechaçada por petistas, mas agora líderes do partido admitem, em conversas reservadas, que “não adianta perder a eleição com o programa de governo na mão”.

A ideia, que ainda não passou pelas instâncias partidárias, é a formulação de uma lista de no máximo dez compromissos, incluindo defesa da democracia, responsabilidade fiscal e geração de empregos.

Aos poucos, o programa, considerado radical por setores do mercado, vem sendo adaptado à realidade política com a supressão de pontos polêmicos, como a realização de um nova Constituinte. Segundo o senador eleito pela Bahia Jaques Wagner (PT), Haddad deve incorporar a proposta de endurecimento de penas para criminosos condenados por homicídio, estupro e latrocínio. O programa do PT defende uma política de desencarceramento.

Gestos
Haddad disse ontem que está fazendo tudo o que pode para tentar aumentar a abrangência de sua candidatura. “Não faço outra coisa senão falar com as pessoas às quais você se refere”, disse o candidato ao ser indagado sobre conversas com lideranças que estão além do arco de influência do PT. “Estou disposto a qualquer tipo de… Eu faço gestos todos os dias.”

O candidato petista passou a falar em erros cometidos pelo partido nos últimos 15 anos em nome de uma frente contra Bolsonaro. “A gente pode frear isso e reconstruir novas bases reconhecendo erros. Em toda entrevista que eu dou digo que houve erros, mas não vamos jogar a água do banho com a criança junto”, disse.

As marcas do PT  – a cor vermelha e a estrela – foram minimizadas no material de campanha. Nessa segunda-feira (15), Haddad deu entrevista coletiva com uma bandeira do Brasil ao fundo.

Lula
Foi a primeira segunda-feira (15) em meses que o candidato não foi a Curitiba visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – condenado e preso na Lava Jato –, que também saiu do primeiro plano da campanha.

Segundo Wagner, Lula afirmou a Haddad que, além de suspender as visitas, o candidato também deveria parar de dizer em entrevistas que o ex-presidente é inocente das denúncias de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, pelas quais foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão.

Com dificuldade para encontrar um flanco vulnerável em Bolsonaro, o medo ganhou relevância na campanha do presidenciável. “Se as pessoas tiverem mais medo dele do que raiva do PT, podem votar no Haddad”, disse Wagner.