Protesto de estudantes em frente ao MEC tem pancadaria e um preso

Major da PM afirma que jovem atacou policiais com um cone e foi levado à 5ª DP. Pasta apresenta novo projeto a reitores de todo o país

Divulgação/ANPGDivulgação/ANPG

atualizado 16/07/2019 18:38

Antes da reunião entre os reitores das universidades federais e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, na sede da pasta, houve confusão, na tarde desta terça-feira (16/07/2019), entre universitários que protestavam no local e policiais militares.

Durante a manifestação, um estudante foi preso pela Polícia Militar. Segundo o major Cláudio Peres, que comanda o efetivo nesta terça, o jovem teria tentado atacar os policiais com um cone.

O estudante foi levado para a 5ª Delegacia de Polícia, onde ficará ao menos durante a tarde.

Os estudantes foram ao Ministério da Educação (MEC) para entregar uma carta aos reitores com as reivindicações do grupo em defesa de melhores condições nos campi federais. Eles criticam os contingenciamentos no orçamento das universidades, além da pauta da reunião, que seria divulgar novo projeto da pasta para criar alternativas para a receita.

Segundo os jovens, após tentarem entregar o documento aos líderes das universidades, eles teriam sofrido repressão da polícia, com gás de pimenta e cassetetes. A PM alega que a “manifestação ocorria de forma pacífica até o momento em que alguns manifestantes, por volta das 16h, começaram a pregar cartazes” no prédio.

“No momento em que os seguranças do MEC foram retirar os cartazes, pregados indevidamente em um prédio público, os integrantes da manifestação não gostaram e tentaram impedir, sendo necessário, nesse momento, a intervenção por parte da PMDF”, informa a instituição. A PM afirmaque alguns policiais foram agredidos e uma viatura foi pichada pelos manifestantes.

A Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) fez um vídeo de parte da manifestação. Veja:

“Unilateral”

Além da União Nacional dos Estudantes (UNE), participaram do manifesto a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes). No documento, o grupo questiona os cortes nas verbas previstas para as universidades e institutos federais e o projeto feito “unilateralmente” pelo MEC.

“A verdade é que nem mesmo os reitores foram consultados sobre essa proposta, que apresenta graves suspeitas de que há, na verdade, uma tentativa velada de privatização das instituições públicas de ensino”, registra o texto.

Segundo a assessoria de imprensa do MEC, o ministro participou “rapidamente” do encontro no início. A reunião é conduzida pelo secretário de Ensino Superior da pasta, Arnaldo Barbosa de Lima Júnior.

Últimas notícias