metropoles.com

Para reduzir fraudes, MEC cria Diploma Digital no ensino superior

Dados da Operação Nota Zero mostram que cerca de 350 mil diplomas falsos foram emitidos em 5 anos, o equivalente a R$ 700 milhões em fraudes

atualizado

Compartilhar notícia

Andre Borges/Especial para o Metrópoles
O ministro da Educação Abraham Weintraub concede entrevista coletiva para falar sobre o Enem Digital
1 de 1 O ministro da Educação Abraham Weintraub concede entrevista coletiva para falar sobre o Enem Digital - Foto: Andre Borges/Especial para o Metrópoles

O Ministério da Educação lançou nesta terça-feira (10/12/2019) o Diploma Digital, ação do governo para agilizar e reduzir fraudes e custos de emissão do documento para alunos recém-formados do ensino superior.

Durante o anúncio da nova medida, o governo apresentou dados da Operação Nota Zero, deflagrada em 2018, no Rio de Janeiro. A operação evidenciou que cerca de 350 mil diplomas falsos foram emitidos em 5 anos. O volume equivale a R$ 700 milhões em fraudes.

Essa operação investigou 11 escolas particulares de vários municípios do Rio de Janeiro, que eram suspeitas de emitir diplomas falsos do ensino fundamental e médio, e não tem relação com os diplomas do ensino superior

A certificação digital deverá ser implementada em instituições de ensino superior, públicas e privadas, até o fim de 2021. Segundo o MEC, mais de 8,3 milhões de alunos serão beneficiados.

A coordenadora-geral de Regulação da Educação Superior à Distância, Cristiane Lepiane, explicou que, durante esse período de dois anos, as instituições serão acompanhadas para que adotem a nova exigência do MEC.

O secretário de Educação Superior, Arnaldo Barbosa de Lima Junior, ressaltou que a medida valerá apenas para a graduação. “Para a pós-graduação é um implemento que não será feito neste momento”, afirmou.

Atualmente, o diploma físico leva cerca de 90 dias para ser emitido. Com o novo programa, o objetivo é que o tempo seja reduzido para até 15 dias.

Além disso, o Ministério da Educação concluiu, durante a execução projeto-piloto da medida, realizado na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que o certificado físico custa R$ 390,26, enquanto o digital custa R$ 85,15.

A versão digital será semelhante ao diploma tradicional. A diagramação do documento ficará por conta da universidade, respeitando a autonomia universitária. A validação das informações será feita por meio de um código alfanumérico e um QR code, localizado no canto inferior direito do documento.

A validade jurídica e a segurança dos novos diplomas digitais serão garantidas, de acordo com o MEC, pela assinatura do documento por parte de instituições de ensino superior com o certificado digital e o uso do carimbo do tempo – que atesta a data e a hora exata em que um documento foi assinado – como consta no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações