Na reta final para o Enem, professores comentam provas antigas

A um mês do exame, os candidatos precisam estar preparados para a prova e saber como os assuntos podem ser cobrados

atualizado 18/10/2022 6:51

Celular com aplicativo do Enem - Metrópoles Divulgação

Na contagem regressiva para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), é importante que os candidatos conheçam as provas e estejam preparados. Para ajudar os estudantes, os professores Plácido Neto e Dinho Zambia, do EstudoPlay, separaram algumas questões de exames anteriores para os alunos se familiarizarem.

As provas do Enem estão marcadas para 13 e 20 de novembro deste ano. Com as 180 questões, mais a redação, é importante que os alunos comecem a revisar o conteúdo do exame.

Inglês no Enem

O professor de inglês Plácido Neto reforça que, nos exames anteriores, cobraram questões relacionadas ao racismo, mulheres e atualidades. Para o exame deste ano, é importante que o aluno consiga interpretar poemas, charges, textos ou até mesmo cartuns.

“O uso de expressões e vocábulos tem sido uma constante nas provas do Enem. Por isso, vale a pena ficar esperto em relação ao uso dos mesmos. Caso não seja possível saber a tradução dessas expressões e vocábulos, a dica é inferir seu significado pelo contexto em que se encontra”, destaca o professor.

1. (Enem 2020)

Finally, Aisha finished with her customer and asked what colour Ifemelu wanted for her hair attachments.
“Colour four.”
“Not good colour,” Aisha said promptly.
“That’s what I use.”
“It look dirty. You don’t want colour one?”
“Colour one is too black, it looks fake,” Ifemelu said, loosening her headwrap. “Sometimes I use colour two, but colour four is closest to my natural colour.”
Aisha shrugged, a haughty shrug, as though it was not her problem if her customer did not have good taste. She reached into a cupboard, brought out two packets of attachments, checked to make sure they
were both the same colour.
She touched Ifemelu’s hair. “Why you don’t have relaxer?”
“I like my hair the way God made it.”
“But how you comb it? Hard to comb,” Aisha said.
Ifemelu had brought her own comb. She gently combed her hair, dense, soft and tightly coiled, until it framed her head like a halo. “It’s not hard to comb if you moisturize it properly,” she said, slipping into the coaxing tone of the proselytizer that she used whenever she was trying to convince other black women about the merits of wearing their hair natural. Aisha snorted; she clearly could not understand why anybody would choose to suffer through combing natural hair, instead of simply relaxing it. She sectioned out Ifemelu’s hair, plucked a little attachment from the pile on the table and began deftly to twist.

ADICHIE, C. Americanah: A novel. New York: Archor Books, 2013.

A passagem do romance da escritora nigeriana traz um diálogo entre duas mulheres negras: a cabeleireira, Aisha, e a cliente, Ifemelu. O posicionamento da cliente é sustentado por argumentos que

(a) reforçam um padrão de beleza.
(b) retratam um conflito de gerações.
(c) revelam uma atitude de resistência.
(d) demonstram uma postura de imaturidade.
(e) evidenciam uma mudança de comportamento.

Resolução: (c) revelam uma atitude de resistência.

Comentário: O enunciado do texto nos mostra que o diálogo em questão é entre duas mulheres negras: uma cabeleireira e sua cliente.

O diálogo revela algumas questões sobre o cabelo afro, mostrando que a cabeleireira sugere uma cor diferente, além de propor um tratamento de relaxamento e questionar como a cliente consegue pentear seus fios. A partir daí, temos a resposta de Ifemelu: “Gosto do meu cabelo do jeito que Deus o fez”. A narrativa segue contando que Ifemelu tinha levado um pente consigo e mostrou como arrumar seus cabelos, penteando-os gentilmente até que eles fiquem como uma auréola ao redor da cabeça.

Analisando esse trecho, percebemos que Ifemelu sempre defende a ideia de que mulheres negras não precisam alisar seus cabelos ou fazer outros tratamentos — pelo contrário: ela incentiva mulheres a deixarem seus cabelos o mais natural possível. Ou seja: o posicionamento de Ifemelu é de resistência. O uso de estratégias de leitura como destacar palavras conhecidas e palavras cognatas do texto, auxiliaria o candidato na interpretação do texto.

2. (Enem 2021)

Back in the ancestral homeland of Michelle Obama, black women were rarely granted the honorific Miss or Mrs., but were addressed by their first name, or simply as “gal” or “auntie” or worse. This so openly demeaned them that many black women, long after they had left the South, refused to answer if called by their first name. A mother and father in 1970s Texas named their newborn “Miss” so that white people would have no choice but to address their daughter by that title. Black women were meant for the field, or the kitchen, or for use as they saw fit. They were, by definition, not ladies. The very idea of a black woman as first lady of the land, well, that would have been unthinkable.

Disponível em: www.nytimes.com. Acesso em: 28 dez. 2019 (adaptado).

A crítica do livro de memorias de Michelle Obama, ex-primeira-dama dos EUA, aborda a história das relações humanas na cidade natal da autora. Nesse contexto, o uso do vocábulo “unthinkable” ressalta que

(a) a ascensão social era improvável.
(b) a mudança de nome era impensável.
(c) a origem do individuo era irrelevante.
(d) o trabalho feminino era inimaginável.
(e) comportamento parental era irresponsável.

Resolução: (a) a ascensão social era improvável.

Comentário: Como mostrado no trecho do texto apresentado “Black women were meant for the field or the kitchen, or for use as they saw fit. They were, by definition, not ladies. The very idea of a black woman as first lady of the land, well, that would have been unthinkable.”
O uso do vocábulo “unthinkable” ressalta que a ascensão social era improvável.

O candidato poderia chegar a essa resposta usando do conhecimento gramatical sobre palavras feitas por derivação, conhecendo o significado do termo, ou inferindo o significado do mesmo pelo contexto apresentado.

3. (Enem 2019)

(KEEFER, M. Disponível em: www.nj.com. Acesso em: 3 dez. 2018.)

No cartum, o estudante faz uma pergunta usando turn this thing on por

a) suspeitar que o colega está com seu material por engano.
b) duvidar que o colega possa se tornar um bom aluno.
c) desconfiar que o livro levado é de outra matéria.
d) entender como desligada a postura do colega.
e) desconhecer como usar um livro impresso.

Resolução: e) desconhecer como usar um livro impresso.

Comentários: Podemos ler no cartum a fala da personagem que diz: “How do you turn this thing on” fazendo referência a usar o livro. Como trata-se de um público jovem, que nasceu na era digital, têm-se o paralelo do ligar (aparelhos eletrônicos?) com o utilizar de maneira geral. O uso do verbo frasal “turn on”(ligar) torna-se fator importante para a interpretação da questão. O significado do mesmo pode também ser inferido pelo contexto em que se encontra.

História no Enem

O professor de história do EstudoPlay Dinho Zambia reforça a importância do aluno estar ligado nos assuntos atuais.

“Ficar atento para os eventos atuais que ocorram até o meio do ano, pois depois de julho a prova já foi lacrada e não cairá eventos que ocorreram depois disso”, explica.

1. (Enem 2020)

Nas cidades, os agentes sociais que se rebelavam contra o arbítrio do governo também eram proprietários de escravos. Levavam seu protesto às autoridades policiais pelo recrutamento sem permissão. Conseguimos levantar, em ocorrências policiais de 1867, na Província do Rio de Janeiro, 140 casos de escravos aprisionados e remetidos à Corte para serem enviados aos campos de batalha.

SOUSA, J. P. Escravidão ou morte: os escravos brasileiros na Guerra do Paraguai. Rio de Janeiro: Mauad; Adesa, 1996.

Desconstruindo o mito dos “voluntários da pátria”, o texto destaca o descontentamento com a mobilização para a Guerra do Paraguai expresso pelo grupo dos

a) pais, pela separação forçada dos filhos. b) cativos, pelo envio compulsório ao conflito.
c) religiosos, pela diminuição da frequência aos cultos.
d) oficiais, pelo despreparo militar dos novos recrutas.
e) senhores, pela perda do investimento em mão de obra.

Resolução: e) senhores, pela perda do investimento em mão de obra.

Comentário: Temos aqui dois temas preferidos pelo certame, no contexto histórico do segundo reinado, que são a “questão abolicionista” e a “militar”. Num momento de intenso conflito, que foi a Guerra do Paraguai, a propaganda enganosa para arregimentar os cativos para o confronto, o governo brasileiro obrigou os proprietários dos escravizados a cederem seus punhos e pernas, ou seja, seus trabalhadores que foram comprados, para lutarem pela defesa da pátria. Mas que na verdade, os negros, sustentáculos da economia, viam com esperança a realização da promessa de alforria quando voltassem. A liberdade não foi dada aos sobreviventes regressos.

2. (Enem 2021)

O governo Vargas, principalmente durante o Estado Novo (1937 – 1945), pretendeu construir um Estado capaz de criar uma nova sociedade. Uma dimensão-chave desse projeto tinha no território seu foco principal. Não por acaso, foram criadas então instituições encarregadas de fornecer dados confiáveis para a ação do governo, como o Conselho Nacional de Geografia, o Conselho Nacional de Cartografia, o Conselho Nacional de Estatística e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), este de 1938.

LIPPI, L. A conquista do oeste. Disponível em http://cpdoc.fgv.br. Acesso em: 7 nov. 2014 (adaptado)

A criação dessas instituições pelo governo Vargas representava uma estratégia política de
a) levantar informações para a preservação da paisagem dos sertões.
b) controlar o crescimento exponencial da população brasileira.
c) obter conhecimento científico das diversidades regionais.
d) conter o fluxo migratório do campo para a cidade.
e) propor a criação de novas unidades da federação.

Resolução: c) obter conhecimento científico das diversidades regionais.

Comentário: A Era Vargas é reconhecida como um período muito importante para a história do Brasil, pois o primeiro governo durou 15 anos (1930-1945), podendo ainda ser subdividido em 3 fases: Governo Provisório (1930-34), Governo Constitucional (1934-37) e Estado Novo (1937-45). Neste último, Vargas impulsionou o desenvolvimento científico do país lançando um vasto programa de criação de conselhos e do IBGE, promovendo um mapeamento nacional, catalogando as diversidades ambientais e sociais do país.

3. (Enem 2021)

Desde o século XII que a cristandade ocidental era agitada pelo desafio lançado pela cultura profana – a dos romances de cavalaria, mas também a cultura folclórica dos camponeses e igualmente a dos citadinos, de caráter mais jurídicos – à cultura eclesiástica, cujo veículo era o latim. Francisco de Assis veio alterar a situação, propondo aos seus ouvintes uma mensagem acessível a todos e, simultaneamente, enobrecendo a língua vulgar através do seu uso na religião.

VAUCHEZ, A. A espiritualidade da Idade Média Ocidental, séc. VIII-XIII.
Lisboa: Estampa, 1995.

O comportamento desse religioso demonstra uma preocupação com as características assumidas pela Igreja e com as desigualdades sociais compartilhada no seu tempo pelos (as)

a) senhores feudais.
b) movimentos heréticos.
c) integrantes das Cruzadas.
d) corporações de ofícios.
e) universidades medievais.

Resolução: b) movimentos heréticos.

Comentário: Os franciscanos, assim como vários outros movimentos heréticos, eram formados por cristãos simples e humildes que zelavam pelo voto de pobreza. Por isso mesmo, eram conhecidos como ordens mendicantes, pois negavam o luxo que era exibido com toda pompa pela Igreja Católica e dedicavam a vida na ajuda ao próximo.

Mais lidas
Últimas notícias