*
 

O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet” e neste domingo (4/11), o Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) tiveram que desmentir recente fake news divulgada nas redes sociais sobre suposto cancelamento da avaliação nas regiões Norte e Nordeste. Mais cedo, a autarquia confirmou a aplicação da prova de humanas em todo o país.

A notícia falsa, que circulou em forma de imagem na internet, justificava a suspensão do exame por conta de uma suposta fraude. Conforme o Inep, “apenas os portais e redes sociais do Ministério da Educação e do próprio Inep são fontes oficiais de informações sobre o Enem”. A entidade também confirmou que o caderno de exatas será aplicado no próximo domingo (11/11) em 1.725 municípios brasileiros.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, em entrevista no início da tarde disse que o caso apurado. “Não há anonimato em rede social. Não cometam irresponsabilidade em rede social porque, se cometer, e isso for um crime, não tenha dúvidas que vamos achar quem cometeu isso, como já encontramos no passado. Não há impunidade nas redes socais”, observou.

Na ocasião, o presidente Michel Temer também falou sobre a avaliação. Venho acompanhar o início dos trabalhos dessa grande prova que é o Enem”, disse.

“Nós verificamos harmonização absoluta de todos os setores do governo que trabalharam nessa mobilização extraordinária. São 5,5 milhões de estudantes que vão prestar o  Enem em todo o país e isso exige uma logística extraordinária. Até o momento, desde o início dos trabalhos, não houve falha de muita significância. Desejamos sorte a todos aqueles que prestam o Enem”, disse o presidente.

Provas
Neste domingo, cerca de 10 mil inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio compareceram ao Centro Universitário de Brasília (UniCeub) para fazer a prova de ciências humanas, linguagens e códigos, além da redação.

No momento de abertura dos portões, uma multidão de aspirantes a universitários adentraram o local de provas. António Jorge Souza, 58, corretor de imóveis, foi uma desses candidatos. Nascido em Feira de Santana (BA) e morador de Brasília há 13 anos, o inscrito o realiza o exame primeira vez.

Vinícius Santa Rosa/Metrópoles

“Faço para conseguir adquirir mais conhecimento e para tentar o ensino superior”, disse. “Geralmente estudo sozinho via internet, porque trabalho seis dias por semana. Aproveito as horas livres”, completou ao ressaltar que a “vontade pessoal” o motivou a participar da seleção. “Quero tentar [a prova] para psicologia ou assistência social”, explicou.

Outro candidato determinado a passar no exame é Gustavo Alves, 26 anos, de Águas Lindas de Goiás (GO). Em sua terceira tentativa na avaliação, ele pretende conseguir nota suficiente para ingressar no curso de Direito da Universidade de Brasília (UnB), instituição de ensino onde ele é estudante de geografia.

Vinícius Santa Rosa/Metrópoles

“Estudo lá porque passei no vestibular. Mas, quero cursar Direito. Em uma faculdade particular, os custos são muito altos”, afirmou. ” Vim de escola pública. O ensino médio da rede pública não é bom. Estudo sozinho em casa todos os dias. É uma concorrência um tanto injusta. Alunos de colégios particulares possuem mais estrutura e condições para seguir para o ensino superior”, contou.