Enem: Defensoria Pública aponta improbidade em tuíte de Weintraub

Ministro da Educação respondeu seguidor que o questionou sobre nota da filha. Para defensor, ato constitui ofensa à impessoalidade

Abraham WeintraubJacqueline Lisboa/Esp. Metrópoles

atualizado 27/01/2020 20:33

A Defensoria Pública da União (DPU) em São Paulo questionou, em manifestação enviada à Justiça Federal, a resposta do ministro da Educação, Abraham Weintraub, a um pai que pediu a revisão da nota da filha no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para o defensor João Paulo Dorini, o auxiliar do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incorreu em “seríssima ofensa ao princípio da impessoalidade” na administração pública – o que pode configurar improbidade administrativa.

O caso ocorreu no sábado (25/01/2020): questionado por um seguidor, que afirmou que a filha tinha “certeza” de que a correção da prova dela não havia sido feita corretamente, o ministro postou um print que seria do seu próprio WhatsApp, em que ele trocaria mensagens supostamente com o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, para checar a nota da estudante.

Com o número de inscrição da estudante em questão, incluído pelo pai dela na mensagem ao ministro, Weintraub pediu: “Caro Alê, tem como verificar?”. Ao que Alexandre teria respondido: “Ministro, a participante teve a prova corrigida corretamente. Tudo confere. Não houve erro de associação no caso dela”.

Ao questionar a resposta do ministro ao seguidor, o defensor quer saber o porquê de quem pede respostas formalmente pelo canal disponibilizado pelo Ministério da Educação (MEC) não ser atendido, enquanto seguidores do titular da pasta recebem esclarecimentos dele direto no Twitter.

“Se aqueles que fazem pedidos informais nas redes sociais para revisão da nota são atendidos, por que não o são aqueles que o fizeram pelo canal criado pela própria Administração? E por que não se informa adequadamente cada um dos solicitantes da revisão, caso de fato ela já tenha sido realizada, já que o próprio ministro da Educação pôde fazê-lo pelas redes sociais para alguém que aparentemente ele sequer conhece pessoalmente?”, pontuou.

Sisu
A previsão inicial do Inep era divulgar o resultado do Enem 2019 nesta terça-feira (28/01/2020), mas, por decisão judicial, ainda não há data definida. A Advocacia-Geral da União (AGU) tenta reverter o posicionamento da Justiça.

A pedido da Defensoria Pública, o Inep e a União terão que comprovar a revisão das notas de todos os candidatos, ficando suspenso o Sisu a partir do dia seguinte ao fim do prazo de inscrição.

Últimas notícias