Eduardo Bolsonaro é vaiado em Nova York: “Vergonha para o Brasil”

Parlamentar está na cidade junto à comitiva presidencial que participará da 76ª Assembleia Feral da Organização das Nações Unidas (ONU)

atualizado 21/09/2021 9:58

Reprodução/Redes Sociais

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi vaiado em uma loja de aparelhos eletrônicos em Nova York, nos Estados Unidos, na segunda-feira (20/9).

O parlamentar está na cidade junto à comitiva presidencial que participará da 76ª Assembleia Feral da Organização das Nações Unidas (ONU). O evento ocorre por volta das 10h (horário de Brasília) desta terça-feira (21/9).

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram o momento em que Eduardo Bolsonaro é hostilizado na loja. “Fora, Bolsonaro. Você é uma vergonha para o Brasil. Você é uma vergonha. Vergonhoso!”, grita um homem ao parlamentar.

Veja as imagens:

Além de Eduardo Bolsonaro, participam da comitiva presidencial os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga; das Relações Exteriores, Carlos França; e do Meio Ambiente, Joaquim Leite.

Os titulares do Turismo, Gilson Machado; da Segurança Pública, Anderson Torres; e da Secretaria-Geral, Luís Eduardo Ramos, também fazem parte da comitiva.

0
Discurso de Bolsonaro

Neste ano, o presidente deve voltar a tratar da pauta ambiental. Em uma transmissão ao vivo nas redes sociais na última quinta-feira (16/9), Bolsonaro disse que fará críticas a uma eventual derrubada do marco temporal na demarcação de terras indígenas no país, mas que será um discurso “objetivo e tranquilo”.

Desde 1949, cabe tradicionalmente ao representante brasileiro fazer o discurso de abertura do debate geral da ONU. Nas últimas sete décadas, chanceleres e presidentes subiram à tribuna em Nova York para falar em nome do Brasil.

Esta será a terceira vez que Bolsonaro abre o debate geral. Em 2019, o presidente afirmou que o Brasil tinha “compromisso solene” com a preservação ambiental e defendeu a soberania na Amazônia.

Em 2020, o mandatário brasileiro, assim como outros chefes de Estado, participou de forma remota em razão da pandemia de coronavírus. Na ocasião, o titular do Planalto disse que o Brasil era “vítima” de campanha “brutal” de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal.

Mais lidas
Últimas notícias