Eduardo Bolsonaro afirma que não há corrupção em gastos com alimentos

Em 2020, governo federal gastou mais de R$ 1,8 bilhão em compras de alimentos para todos os órgãos do executivo

atualizado 27/01/2021 14:54

Reprodução

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou, em publicação no Twitter nesta quarta-feira (27/1), que não há corrupção nos processos de compra do governo federal com itens de alimentação.

No domingo (24/1), o Metrópoles mostrou que, em 2020, o governo federal gastou cerca de R$ 1,8 bilhão em compras de alimentos para todos os órgãos do executivo. Só em goma de mascar, foram gastos R$ 2,2 milhões. Além disso, a compra de leite condensado custou R$ 15,6 milhões aos cofres públicos.

O órgão que recebeu maior valor em compras é o Ministério da Defesa: foram cerca de R$ 632 milhões. Em segundo e terceiro lugar, ficaram o Ministério da Educação, com gasto estimado em R$ 60 milhões, e o Ministério da Justiça, com R$ 2 milhões em compras.

0

Em sua publicação no Twitter, Eduardo Bolsonaro justificou o valor gasto pelo executivo, afirmando que “quase 400 mil militares” são contemplados pelos itens de alimentação. Ele também disse que os alimentos são direcionados a “universidades, hospitais e outros órgãos federais”.

O parlamentar publicou uma imagem do Portal da Transparência que mostra que, dos R$ 15,6 milhões gastos com leite condensado, R$ 14,2 milhões são destinados ao Ministério da Defesa. Eduardo disse que o valor seria suficiente para comprar cerca de 6,5 mil latas do produto por dia, e que o alimento é recomendado para praticantes de atividades físicas.

“Com este valor poderia-se comprar pouco mais de 6.500 latas de leite condensado/dia, algo bem razoável para uma tropa de 334.000 militares vide ainda que o item é um produto calórico indicado a quem faz muitas atividades físicas e serve de base para a elaboração de vários outros alimentos comuns a mesa dos brasileiros como bolos.”

O deputado também sustentou que o governo é alvo de mentiras e distorção, e que não há corrupção no executivo.

Efetivo

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa das Forças Armadas disse que o efetivo do órgão é composto de 370 mil pessoas, que recebem uma “dieta balanceada diária”.

O texto argumenta ainda que, de acordo com o Estatuto dos Militares, Lei nº 6.880/80, a alimentação é direito assegurado ao militar, assim como as refeições fornecidas aos funcionários em atividade.

“Pelos motivos citados acima, é compreensível que parcela considerável de despesas com gêneros alimentícios da União se dê no âmbito deste Ministério. A administração militar deve esforçar-se para assegurar a excelência da alimentação militar, quer nas Organizações Militares de Terra, quer nos navios, em tempo de paz e de guerra”, diz a nota

Ainda segundo o texto, durante 2020, ao contrário de muitas organizações, o Ministério da Defesa (MD) e as Forças Armadas mantiveram em andamento suas atividades.

Últimas notícias