Veja dez dicas para não cair na armadilha das contas de janeiro

Primeiro mês do ano costuma ser de descanso, mas é preciso ficar atento para os gastos que pesam no bolso, como material escolar e impostos

Michael Melo/MetrópolesMichael Melo/Metrópoles

atualizado 03/01/2020 12:50

O primeiro mês do ano é sinônimo de férias para muitas famílias, mas também de dor de cabeça na hora de fechar as contas. Material escolar, IPTU, IPVA, licenciamento e gastos de viagens: em janeiro, é preciso ter cuidado redobrado e estratégia para não se perder nas despesas.

Veja, a seguir, dez dicas para começar o ano com as contas em dia:

1. Pé-de-meia
Se ainda tiver sobrado alguma parte do 13.º, ela já deve ter destino certo: as despesas de início de ano. O verão é tempo de descanso, mas também de comprar material escolar para as crianças, pagar a matrícula e recolher impostos que pesam muito no bolso, como o IPVA (do carro) e o IPTU (da casa).

2. Planilha
Aproveite o ritmo mais lento desses dias e tire algumas horas para refazer as contas e identificar o valor da renda que já está comprometido com dívidas do ano passado. Fazer uma planilha com as despesas de 2019 ajuda a ter uma visão mais realista do tamanho do desafio financeiro pela frente.

3. Tudo de uma vez
Se possível, pague as dívidas à vista. Parece óbvio, mas muita gente acaba optando por parcelar e se perde nas contas quando despesas mais urgentes chegam ao longo do ano.

4. Lá vem o imposto
Pagar impostos em uma parcela também pode gerar descontos. O conselho de especialistas em finanças pessoais é que o pagamento à vista é a melhor opção, também na hora de pagar impostos. IPTU e IPVA, dois dos tributos anuais mais comuns, dão porcentuais de desconto quando pagos em cota única. O desconto varia conforme o estado e o município de residência.

5. Cuidado com os juros
Se precisar escolher alguma coisa para parcelar, eleja de acordo com os juros e descontos. Agora é a hora de dar uma boa olhada nas dívidas que você trouxe do ano passado e de tomar cuidado com dívidas novas. O cheque especial, por exemplo, vai ter juros limitados a 8% ao mês a partir da próxima segunda-feira, mas os juros continuam altos: 151,8% ao ano.

6. De olho nos descontos
Aproveite os descontos e saldões de início do ano para trocar algum item da casa. Depois do Natal, grandes redes varejistas organizam eventos com descontos de até 70%. Só é preciso paciência para enfrentar as filas e muita agilidade, além de cuidado para não comprar nada de que não precise só para aproveitar o preço baixo.

7. Férias tranquilas
Se não tiver conseguido planejar a viagem de férias com antecedência, deixe para julho ou meses de baixa temporada, em que os custos de hospedagem e de transporte aéreo podem ficar até 50% mais baratos. E tente não deixar que o parcelamento de uma viagem se acumule com as despesas fixas de janeiro.

8. Em dinheiro
Durante as férias, troque os cartões de débito e de crédito por dinheiro vivo. Ao longo do ano, isso acaba sendo mais difícil, porque a praticidade de pagar as compras com o cartão acaba se impondo na rotina. Mas, nas férias, é possível estabelecer uma meta de gastos diária e sair de casa apenas com aquela quantia de dinheiro.

9. Compra coletiva
Sabe aquela lista interminável de material escolar? Não dá para fugir dela, mas você pode procurar outros pais e combinar uma compra em conjunto. Com um volume de compras maior, fica mais fácil negociar bons descontos com a loja e até dá para pagar à vista.

10. Planejando o futuro
Certo, o ano acabou de começar, a economia ainda não reagiu como o esperado e os últimos anos foram difíceis. Mas não é cedo demais para planejar as contas até o fim de 2020, repensar gastos que não são de primeira necessidade e, se possível, começar a fazer aquela reserva de dinheiro prometida desde o último réveillon. Novamente, a velha e boa planilha pode ajudar muito nessas horas.