O texto da reforma da Previdência quer condicionar aumentos, gratificações e benefícios de servidores. Com a proposta, essas ofertas a funcionários públicos dependeriam dos indicadores dos relatórios atuariais e financeiros dos planos de previdência, segundo o jornal O GLOBO.

Essa proposição, que pode dificultar reajustes ao funcionalismo, no entanto, deveria ser regulamentada por meio de lei complementar após a discussão do texto da reforma. A ideia é controlar o impacto que os acordos com sindicatos e representações de servidores têm.

Prioridade
A reforma da Previdência é prioridade do governo de Jair Bolsonaro (PSL). No entanto, a elaboração do texto final tem mostrado uma falta de sintonia, por exemplo a idade mínima para aposentadoria, entre o presidente e os principais auxiliares dele.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, havia informado anteriormente que a ideia é enviar a proposta para análise do Congresso ainda neste mês.