Mercado imobiliário tem alta de 9,8% nas vendas de 2020

Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC) estima um crescimento do setor entre 5% e 10% em 2021

atualizado 22/02/2021 14:28

Daniel Ferreira/Metrópoles

Apesar das dificuldades econômicas proporcionadas a diversos setores em 2020, por causa da pandemia da Covid-19, o mercado imobiliário fechou o ano de 2020 com aumento de 9,8% nas vendas de empreendimentos, em comparação a 2019.

Já para 2021, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC) prevê um crescimento entre 5% e 10%, tanto em vendas quanto em lançamentos. As informações sobre os Indicadores Imobiliários Nacionais foram divulgadas em coletiva de imprensa da CBIC nesta segunda-feira (22/2).

Em 2020, o setor imobiliário alcançou 189.857 vendas de imóveis residenciais novos. Somente no quarto trimestre do ano, as vendas chegaram a 57.968 unidades, com alta de 6,7% em comparação ao quarto trimestre de 2019.

De acordo com a CBIC, o aumento nas vendas de empreendimentos é motivado pelo ambiente de juros baixos e maior incentivo à aquisição de imóveis para moradia ou investimentos.

0
Adiamentos

Apesar da alta nas vendas, muitos lançamentos foram adiados por conta das restrições para o funcionamento do comércio e as incertezas econômicos. Por isso, os lançamentos de imóveis no Brasil tiveram queda de 17,8% em relação ao registrado em 2019. Ao total, 151.782 unidades foram lançadas no ano passado.

Com mais vendas do que lançamentos, o estoque caiu 12,3% desde o fim de 2019 até o fim de 2020, chegando a 164.786 unidades.

Para o presidente da CBIC, José Carlos Martins, o resultado final do setor foi “muito positivo”. “Os números de 2020 foram superiores ao que imaginávamos que poderia acontecer no começo da pandemia”, afirmou Martins, em entrevista coletiva nesta manhã. “A maioria dos setores teve queda no ano passado”, acrescentou.

Previsão para 2021

Na coletiva de imprensa desta segunda-feira, a CBIC também projetou um crescimento entre 5% e 10% do mercado imobiliário em 2021 ante 2020.

Segundo o vice-presidente da área de Indústria Imobiliária da CBIC, Celso Petrucci, essa estimativa considera um crescimento em torno de 3,5% para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2021, além do avanço de reformas econômicas, e a manutenção das taxas de juros do financiamento imobiliário em patamares baixos.

“O nosso viés [de crescimento] é de alta, de 5% a 10%, se tiver um pouco de economia funcionando”, afirmou Petrucci, na live de hoje. “O mercado como um todo está em um viés de alta, e isso pode chegar a 5% a 10% [em 2021]”.

No entanto, o setor se preocupa com os preços de insumos e o risco de desabastecimento de produtos. De acordo com José Carlos Martins, presidente da CBIC, essa preocupação faz com que o setor “tenha medo de fazer lançamentos”, sobretudo no Programa Casa Verde e Amarela.

O presidente da CBIC ainda afirmou que terá reuniões no Ministério da Economia e no de Desenvolvimento Regional (MDR) para tratar sobre o aumento dos insumos. Segundo ele, a intenção é colocar o problema na mesa o problema e discutir o que pode ser minorado para resolver a questão.

Últimas notícias