Lula defende imprimir dinheiro para solucionar crise da Covid-19

"A vida do ser humano não tem preço", avaliou o ex-presidente petista. Ele avalia que não há risco de inflação porque "não existe demanda"

atualizado 29/04/2020 13:05

Daniel Ferreira/Metrópoles

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu, nesta quarta-feira (29/04), que o Banco Central (BC) imprima dinheiro durante a crise do novo coronavírus.

“Sou favorável que o Brasil possa rodar dinheiro, aumentar a massa monetária do país para que as pessoas tenham como sobreviver”, disse, em entrevista à rádio Tupi, do Rio de Janeiro.

A intenção, segundo ele, é dar às pessoas a oportunidade de ter dinheiro para ficar em casa durante a pandemia do novo coronavírus.

“A vida do ser humano não tem preço”, complementou o petista.

Assista, a seguir, a íntegra da entrevista, que foi compartilhada no perfil oficial do ex-presidente Lula:

Inflação

O aumento do poder de compra costuma gerar, como efeito colateral, um aumento na inflação do país, que é medida pelo IPCA.

O ex-presidente argumentou, contudo, que não existiria risco de inflação com a medida “porque não tem demanda”, ou seja, as pessoas não estão atrás de consumir.

A inflação registrada nos meses de janeiro e março foi baixíssima, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em março, o aumento de preços foi de apenas 0,07% – o menor de todo o Plano Real, iniciado em 1994.

A previsão do mercado financeiro, inclusive, é que o IPCA feche o ano em 2,2%, abaixo do centro da meta do governo federal, de 3,5%.

Outras versões

Esta não é a primeira vez que o ex-presidente se posiciona a favor da impressão de moeda nova durante a crise do novo coronavírus.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais no último dia 15, Lula afirmou que é preciso ter dinheiro não somente para ficar em casa, mas “para fazer investimentos”.

A medida é defendida também pelo secretário de Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles, que foi presidente do BC durante o governo petista.

Roberto Campos Neto, atual presidente da autarquia, se mostrou, porém, contrário a impressão de dinheiro. Segundo ele, não é a melhor saída para a crise.

“Se temos um sistema de meta de inflação que tem assimetrias, se imaginar que, quando se está embaixo, vai imprimir dinheiro para atingir a meta, vai fazer com que o equilíbrio de juros neutros seja um pouco mais alto”, contra-argumentou, em entrevista ao portal UOL.

Últimas notícias